Segundo o vereador ele precisou de atendimento para a retirada de uma espinha de peixe da garganta se dirigiu a UPA da Baixada da Sobral, depois de esperar por mais de uma hora pelo médico que estava almoçando, foi orientado a procurar o Pronto Socorro. Chegando lá lhe informaram que não havia médico, nem sobreaviso, nem mesmo otorrino na rede pública.

Ainda segundo o vereador teve que recorrer ao atendimento particular para conseguir fazer a retirada da espinha. “Uma pessoa que não tem condição como sobrevive a uma situação dessa?”, questionou.

“Não dá para continuar assim, vamos descer do palanque. Eu vejo esses grupos políticos se organizando para 2022 e nem organizaram 2019. Gente vamos olhar para o povo. Ganharam as eleições com o discurso que iriam melhorar as coisas. Pelo menos um médico tem que ter. Estão preocupados com a prefeitura de Rio Branco, com o governo que vai vir ainda, (…) mas ainda não conseguiram colocar otorrino na rede pública”, disse Railson.