Enquanto Alysson Bestene enrolava o SINTEAC na casa civil, Gladson Cameli comia saltenha no Palácio Rio Branco

O governador Gladson Cameli pagava uma rodada de saltenhas e Coca Cola no Palácio Rio Branco, onde se preparava para dar uma coletiva à imprensa acreana.

Desde que iniciou o ano letivo, o SINTEAC vem tentando alinhar um entendimento com a equipe da Secretaria de estado de Educação e Esporte do Governo Gladson Cameli (PROGRESSISTAS) e Major Rocha (PSDB), para que se cumpra algumas das muitas demandas da categoria.

O SINTEAC – Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre, reivindica um reajuste salarial de, pelo menos, 12,99%, em parcela única desde o começo do ano. Também cobram o pagamento do restante do Prêmio de Valorização de Desempenho Profissional (VDP), que ainda não saiu para uma boa parte de professores, diferente do que anunciou Gladson Cameli, quando afirmou ter pago para todos.

Dia 09 (nove) de setembro, o SINTEAC fez uma ocupação de advertência no prédio da Secretaria estadual de educação, com objetivo de alertar a equipe do governo, sobre a necessidade de juntos sentarem à mesa e dialogar sobre quais pautas poderiam ser atendidas.

Depois de um entendimento, ficou acordado para quinta-feira (11), uma nova rodada de negociação. De fato, aconteceu na tarde de ontem como combinado, acontece que apenas o secretário de articulação política Alysson Bestene, apareceu na casa civil, como combinado, sem nenhuma proposta concreta e muito menos uma possibilidade de atender as pautas da categoria.

No mesmo horário em que Alysson despistava Rosana Nascimento e sua equipe, o governador Gladson Cameli pagava uma rodada de saltenhas e Coca Cola no Palácio Rio Branco, onde se preparava para dar uma coletiva à imprensa acreana.

As imagens irritaram alguns dirigentes sindicais, pois assimilaram como gesto de desprezo às reivindicações dos professores e demais trabalhadores em educação, que imploram para que o governo atenda os seus questionamentos.

Um áudio de um dirigente sindical, rodou diversos grupos de Whatsapp, com um conteúdo de clara revolta.

OUÇA;

Procuramos contato com o secretário Alysson Bestene, que não retornou as ligações.