Professora de Epitaciolândia morre em Rio Branco vítima de Meningite fúngica

Após 25 dias ter procurado ajuda médica, dona Fátima foi diagnosticada com meningite fúngica.

3 de Julho – A professora aposentada do município de Epitaciolândia, Fátima Aires da Silva, faleceu recentemente na capital Rio Branco, segundo o laudo médico, vítima de meningite fúngica.

Em entrevista, o filho Valdemar, que também é educador, afirma que a mãe começou a sentir fortes dores de cabeça, mas a doença só foi descoberta após 25 dias da vítima ter procurado ajuda médica em Brasileia.

Valdemar relata que a mãe, ao sentir fortes dores na nuca e na cabeça, foi levada ao hospital Wilde Viana, em Brasileia e lá a médica plantonista informou que havia 95% de chances de ser meningite e que ele teria que ser encaminhada para a Capital, mas devido o exame não ter sido realizado não pôde dar certeza, com a troca de plantão o próximo médico informou que não era meningite, mas que ela deveria ser encaminhada para o Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB).

O Filho conta que ao chegar no Pronto Socorro de Rio Branco informaram que poderia ser depressão, foram feitos alguns exames que constataram apenas um inchaço na cabeça de dona Fátima, desde então trataram do inchaço e após três dia a professora foi liberada, em seguida a família percebeu que a educadora permanecia do mesmo jeito e procuraram outros meio de ajuda, mas nada foi detectado.

Diante da situação recomendaram que dona Fátima fosse levada em uma médica particular que ao consultar encaminhou novamente a paciente para o HUERB, no Pronto Socorro colheram um líquido da coluna, onde foi constatado que seria realmente uma meningite fúngica e que a cabeça da vítima estaria repleta de fungos, desde já a paciente foi encaminhada para a fundação onde lá começaram a tratar e o quadro clínico oscilava.

Em um momento dona Fátima estava bem outro momento ela não estava, a medicação em alguns momento eram suspensa para ver se a educadora reagiriam mas ela não reagiu e em um curto período de tempo a vítima teve duas paradas cardíacas e não resistiu e faleceu.

A meningite fúngica não é transmitida de pessoa para pessoa. Geralmente os fungos são adquiridos por meio da inalação dos esporos (pequenos pedaços de fungos) que entram nos pulmões e podem chegar até as meninges (membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal). Alguns fungos encontram-se em solos ou ambientes contaminados com excrementos de pássaros ou morcegos. Já um outro fungo, chamado Candida, que também pode causar meningite, geralmente é adquirido em ambiente hospitalar.