Advogada Savana, de Brasileia, sai do coma e médicos deram 48 horas para sair do risco maior

A ex-vereadora Leda Santiago, acompanha a filha no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb).

3 de Julho – A Advogada Savana Santiago teve uma grande melhora em seu quadro de meningite bacteriana, a mãe da advogada informou recentemente que a paciente saiu do coma e começou a mexer algumas partes do corpo, abriu os olhos e reconheceu sua mãe.

Os médicos informaram que se savana responder bem ao tratamento durante as próximas 48 horas pode-se comemorar, pois a advogada sai do risco de morte,  e das crises e passa para próxima etapa que são mais 72 horas seguintes pra sair da sala de isolamento.

O site 3 de Julho Noticias entrou em contato com a mãe de Savana que informou que as próximas 48 horas são cruciais e que a advogada ainda está com a sonda gástrica e respirando com ajuda de oxigênio.

No relato da professora Leda, a médica plantonista, cujo nome ela não soube dizer, disse que já tratou adultos com o mesmo diagnóstico e que, os que sobrevivem, não ficam com sequelas porque, ao contrário das crianças, têm as células cerebrais mais resistentes. A meningite bacteriana é uma espécie de inflamação no cérebro e costuma ser letal na maioria dos casos.

De acordo com Leda Santiago, Savana começou a passar mal ainda na sexta-feira (06). Reclamou de fortes dores de cabeça e tomou remédios achando que estava acometida apenas de um gripe. Sábado, dia 7, dia de descanso, ela foi repousar achando que melhoraria com isso. Não aconteceu e as dores de cabeça se intensificaram ao ponto de, no sábado à noite, após o Samu ser chamado, ela deu entrada na Upa e em seguida entrou em coma.

“Entrei em desespero porque nunca imaginei que minha filha tivesse sido acometida por esta doença. Desde criança, ela sempre foi vacinada. Teve toda a sua carteira vacinal preenchida”, disse Leda, ao ser cientificada de que era meningite o mal que acometera sua filha. Ela e outros parentes chegaram a Rio Branco ainda na madrugada de domingo.