Oito mil crianças de seis a 11 meses e 29 dias de vida devem receber dose da vacina contra sarampo

A vacinação começou a ser aplicada no dia 23 de agosto, quando foi enviado um informe do MS com a liberação e agora vem o reforço para garantir que esse público seja atendido.

Pelo menos 8 mil crianças, de seis a 11 meses e 29 dias de vida, devem ser vacinadas contra sarampo no Acre. Elas fazem parte do grupo prioritário do Ministério da Saúde (MS) porque ainda não foram imunizadas contra a doença.

A vacina já está disponível nas unidades de saúde de todo estado. Além disso, o estado deve receber um reforço de mais de 8 mil doses depois que o Ministério da Saúde anunciou o envio de 1,6 milhão de doses extras da vacina tríplice viral aos estados.

A gerente do Núcleo do Programa Estadual de Imunização, Renata Quiles, disse que o estado não tem casos da doença confirmado e reforça que a prioridade neste momento são as crianças a partir dos seis meses.

“Essa vacina vem justamente para o grupo cujo o Ministério da Saúde tem priorizado nesse momento, que são as crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias, porque é um público que não recebe a vacina como rotina, ou seja, eles estão totalmente desprotegidos”, explica.

Além disso, Renata explica que os bebês até os seis meses são protegidos por anticorpos repassados pelo leite materno e até mesmo pela placenta, por isso, não precisam receber a dose da vacina e as crianças a partir de um ano, estão com essa imunização na rotina.

“Por isso o MS utilizou essa estratégia de intensificar esse público que, até então, não era previsto. A gente tem uma meta para alcançar de 8 mil crianças [a partir dos seis meses] e mais 8 mil de 1 ano de idade”, complementou.

A vacinação começou a ser aplicada no dia 23 de agosto, quando foi enviado um informe do MS com a liberação e agora vem o reforço para garantir que esse público seja atendido.

Toda a população até 49 anos tem direito a essa vacina que é disponibilizada ao longo de todo ano, na rotina do serviço de saúde. Mas, Renata alerta que, neste momento, é necessário ter a conscientização de que a prioridade são os bebês.

“Tem muito adulto querendo tomar a vacina agora, onde o período é para o bebê desprotegido. Isso tem nos preocupado. É um público que tem direito a vacina, mas ele tem direito ao longo do ano”, informa.

A gerente explica que o adulto em algum momento da vida já tomou uma dose e está protegido.

“Não tem porque entrar em pânico, porque primeiro vamos vacinar os bebês e posteriormente o Ministério vai enviando aos poucos mais doses pra gente vacinar o restante da população. Mas, ela vem de forma fracionada”, conclui. Do G1 Acre