Márcio Silva foi preso em 2015 suspeito de estuprar mais de 10 crianças em Rio Branco e Bujari. Presos prestaram serviço de informática no Educandário Santa Margarida.

O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) abriu um processo administrativo para investigar quem foi o responsável pela escolha do ex-tabelião Márcio da Silva, condenado por estuprar várias crianças, para fazer um serviço no Educandário Santa Margarida, entidade que abriga crianças em situação de vulnerabilidade social em Rio Branco.

Silva e outro detento fizeram instalações e montagem de computadores e equipamentos de informática no laboratório do abrigo infantil entre segunda (12) e terça-feira (13). A situação causou polêmica.

Silva foi preso em janeiro de 2015 suspeito de estuprar pelo menos dez crianças, entre 5 e 11 anos, na época, na capital acreana. Antes desta prisão, o ex-servidor havia sido detido no município do Bujari, interior do estado, por tentar estuprar uma menina de 11 anos.

‘Erro’, diz Iapen

Por meio de nota, o diretor-presidente do Iapen-AC, Lucas Gomes, admite que a escolha foi um erro e afirma que os presos não tiveram acesso às crianças da instituição.

“O Iapen considera o erro da Comissão Técnica de Classificação em permitir a saída para o trabalho do detento em questão. Desta forma, um processo administrativo será instaurado para apurar a responsabilidade dos envolvidos”, concluiu.

Ainda segundo o instituto, a ação faz parte do projeto de utilizar a mão de obras de presos para prestação de serviços em instituições sem fins lucrativos e também ajuda no processo de ressocialização dos detentos.

“O detento realizou serviços em dois dias, especificamente, sob escolta de dois agentes penitenciários, na sala disponibilizada para a montagem do laboratório do Educandário, não mantendo nenhum tipo de contato com as crianças, sendo estas que se encontravam em ambiente diverso do local de trabalho do reeducando”, reafirmou.

Casos

Na época da prisão, o Núcleo de Atendimento à Criança e ao Adolescente (Nucria) informou que as vítimas reconheceram o ex-tabelião por fotos. Segundo a polícia, para sequestrar as crianças e praticar o abuso, o suspeito passava dias observando as vítimas para só se aproximar quando elas estivessem sozinhas.

Ele atraia as crianças oferecendo dinheiro, colocava dentro do carro e levava para um local isolado. O carro usado pelo suspeito também foi reconhecido pelas vítimas. Do g1 Ac