Grupo é acusado de matar o pedreiro Almir Silva, em setembro de 2017 em Xapuri. Júri deve ouvir 24 testemunhas sobre o caso.

A Justiça do Acre começou a julgar, nesta quarta-feira (14), os suspeitos da morte do pedreiro Almir de Moura Silva, assassinado por 17 pessoas em setembro de 2017 na saída de uma festa em Xapuri, interior do Acre. Ao todo, são dez réus e 24 testemunhas que devem ser ouvidas no processo.

O pedreiro foi morto a golpes de faca, chutes e murros no final de uma festa, no bairro Pantanal, em Xapuri. Um amigo de trabalho de Silva, que estava junto dele, ficou ferido e foi socorrido, na época. Ele também deve ser ouvido pela Justiça.

A Justiça confirmou que os dez suspeitos são acusados de homicídio triplamente qualificado, sendo meio cruel, motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima; organização criminosa; corrupção de menores e tentativa de homicídio.

Ainda segundo a Justiça, o crime teve a participação de sete adolescentes, que já cumprem medidas socioeducativas.

Até a tarde desta quarta, apenas três testemunhas haviam sido ouvidas no júri. O processo deve entrar pela noite, ser interrompido e continuar nesta quinta-feira (15). Do g1 Ac