O principal objetivo do grupo hoje é buscar o licenciamento de suas atividades junto a Vigilância Sanitária para que a comercialização dos produtos possa chegar a novos patamares.

Valorizando as cadeias produtivas extrativistas do Acre, o Governo do Estado, por meio da Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac), realizou no início de agosto a Oficina de Produção de Fitocosméticos de Higiene Pessoal e de Fitoterápicos, que beneficiou 15 mulheres da Associação de Mulheres Trabalhadoras Rurais Unidas por Liberdade, Humanidade e Amor (Amuralha), localizada em Rodrigues Alves.

A ação, que faz parte das atividades de fortalecimento da cadeia produtiva de óleos, foi aplicada pelo Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais da Funtac (LPN) e desenvolvida por meio do Programa REDD+ Early Movers (REM) ACRE FASE II.

Só as mulheres que fazem parte da Amuralha já receberam recursos para novos investimentos capazes de realizar uma importante mudança de vida, com uma nova fonte de renda. Entre os resultados estão a construção de uma unidade para a fabricação de produtos fitocosméticos, como sabão e sabonete à base de murmuru, da matéria-prima oriunda da Cooperativa dos Produtores de Agricultura Familiar e Economia Solidária de Nova Cintra (Coopercintra).

Durante o curso, foram repassadas técnicas para produção de shampoo e condicionador utilizando óleos naturais de buriti, açaí e cocão. Também foi ensinado como produzir repelente de citronela e gel de copaíba, além de sabonete líquido feito a partir dos resíduos da produção de sabonetes sólidos que já são produzidos pelas associadas.

O principal objetivo do grupo hoje é buscar o licenciamento de suas atividades junto a Vigilância Sanitária para que a comercialização dos produtos possa chegar a novos patamares. Por isso, as Oficinas Produtivas realizadas pela Funtac têm como objetivo normalizar os processos produtivos por meio de Procedimentos Operacionais Padrão (POP) de acordo com a demanda existente, qualificando todas as pessoas que atuarão diretamente na produção.

Segundo o coordenador do Programa REM na Funtac, Dixon G. Afonso: “As atividades não se baseiam apenas em repassar as técnicas de processamento de produtos convencionais, mas com a incorporação de matérias-primas regionais, busca-se agregar valor a um produto final diferenciado, com respeito às características sociais, culturais e econômicas da região”.

Afonso explica que a Funtac tem como premissa o acompanhamento das atividades de produção, estabelecendo medidas corretivas e desenvolvendo produtos inovadores de acordo com a escala demandada.