Ministro classificou como “inconcebível” o fato de um procurador da República de primeira instância buscar investigar atividades desenvolvidas por ministros do Supremo

Ministro do STF Marco Aurélio Mello e procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol. (Foto: Marco Aurélio e Deltan Dallagnol)

Mais um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) se manifestou sobre às últimas revelações da Folha de S.Paulo e do site The Intercept Brasil, publicadas nesta quinta-feira (1).

Agora foi a vez de Marco Aurélio Mello, que classificou como “inconcebível” o fato de um procurador da República de primeira instância buscar investigar atividades desenvolvidas por ministros do Supremo, informa O Globo.

De acordo com a reportagem publicada mais cedo pela parceria Intercept/Folha, o procurador Deltan Dallagnol incentivou investigações acerca das finanças do presidente da Corte, Dias Toffoli.

Questionado sobre o que pode ser feito a respeito, Marco Aurélio Mello respondeu que aqueles que se sentirem prejudicados podem buscar órgãos como o Conselho Nacional do Minsitério Público (CNMP).