Operação da PF foi deflagrada em: Rio Branco, Boca do Acre e Manaus, por lavagem de dinheiro e organização criminosa

Desdobramento da Maus Caminhos investiga envolvidos em desvio de recursos públicos federais.

A Polícia Federal do Amazonas cumpre dois mandados de prisão preventiva, um mandado de prisão temporária e 16 mandados de busca e apreensão na manhã desta terça-feira (30). Os alvos estão espalhados por Manaus, Boca do Acre (AM) e Rio Branco (AC). A operação Eminência Parda é um desdobramento da operação Maus Caminhos, que investiga crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Entre os investigados estão um empresário pecuarista com atuação em Boca do Acre e Manaus, e seu cunhado, também empresário, que atua no ramo de fornecimento de refeições.

De acordo com o Inquérito Policial instaurado para investigar os fatos, os dois envolvidos teriam utilizado de uma empresa fornecedora de refeições para, em conluio com o então administrador de uma organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP), que atuava na administração de hospitais e serviços médicos hospitalares no Estado do Amazonas, e desviava recursos públicos federais, mediante a simulação de serviços e outras fraudes, como a prática de sobrepreço, que possibilitaram pagamentos indevidos reiteradas vezes.

Além disso, a investigação criminal também possibilitou a descoberta da possível prática de crime de lavagem de dinheiro por parte do empresário que atua no ramo da pecuária, em cooperação com outros investigados da Operação Maus Caminhos.

De acordo com as provas obtidas, o empresário teria chegado a receber, periodicamente e em espécie, a quantia de R$ 1.040.000,00 (um milhão e quarenta mil reais) ou frações, repassada pelo então administrador da OSCIP, com a finalidade de ocultar a origem, natureza e propriedade do dinheiro público desviado por intermédio da referida organização social.

A nova fase iniciou nesta manhã com uma prisão em um condomínio de luxo no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul de Manaus. A Polícia Federal não cita o nome de nenhum dos alvos dessa ação, que acontece ao longo do dia.

Pouco antes das 10h (horário de Brasília), a primeira equipe de agentes federais retornou para a sede da Polícia Federal após diligências em condomínios de luxo na Zona Centro -Sul de Manaus. Na casa de um dos alvos foram apreendidos e levados à sede da PF um comboio com dois veículos de luxo e um utilitário.

Operação Vertex

No último desdobramento, a operação Vertex, deflagrada no dia 19 de julho, prendeu a esposa, três irmãos do ex-governador do Amazonas e senador Omar Aziz, e outras cinco pessoas. Nejmi Aziz, ex-primeira-dama, foi solta dois dias após a prisão, assim como os irmãos.

O senador Omar Aziz (PSD), cinco dias depois das prisões, prestou depoimento à Polícia Federal em Manaus. Ele foi intimado a depor em decorrência do desdobramento da “Maus Caminhos”, que apura esquema de corrupção que desviou cerca de R$ 120 milhões da saúde no Amazonas.

Desdobramento da Maus Caminhos

A investigação da operação está diretamente relacionada com as outras fases da Maus Caminhos, que são: ‘Custo Político’, ‘Estado de Emergência’ e a operação ‘Cashback’.

Na operação Custo político se apurou a prática de crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de capitais e pertinência a organização criminosa. Todos praticados por cinco ex-secretários de estado, bem como diversos servidores públicos e o núcleo da organização criminosa desbaratada na primeira fase da operação.

Na operação ‘Estado de Emergência’ completava-se o núcleo político do poder executivo estadual, tendo alcançado o ex-governador, José Melo, que chegou a ser preso.

A operação Cashback investiu nas investigações do envolvimento de outras empresas em conluio, com a suspeita de que foram efetuados pagamentos embasados em notas fiscais falsas, sem a correspondente prestação de serviço, além de pagamentos por serviços superfaturados. Do G1 Amazonas