Ao invés de criticar as declarações de parlamentares o secretário de segurança deveria fazer coro por socorro, ou ele acha que estar tudo sob Controle?

O secretário de estado de segurança pública Paulo Cézar, parece não estar gostando das críticas que os parlamentares acreanos fizeram, no tocante as ações da pasta de segurança pública

O mesmo respondeu as declarações feitas pela deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB), que cobrou o cumprimento das promessas feitas ainda em campanha pelo governador Gladson Cameli e principalmente do vice Major Rocha (PSDB). Os mesmos usaram a bandeira da segurança como carro chefe de sua campanha, diziam que o maior problema era ingerência e que ao assumirem o estado, iriam devolver a paz e a tranquilidade dos acreanos.

Passados sete meses de mandato, a parlamentar fez duras cobranças e questionou a onda de violência que assombra a capital do estado Rio Branco. Segundo Perpétua, se nada mudar ela irá pedir intervenção do governo federal na segurança pública, assim que retorne do recesso parlamentar.

Outro que não poupou críticas foi o senador Sérgio Petecão (PSD), vice-líder do governo no senado e aliado de primeira hora de Gladson Cameli no governo estadual. O senador se disse amedrontado e que não tem mais coragem de andar qualquer hora e em qualquer lugar de Rio Branco. ’Tenho medo de estar em um local e chegar um maluco atirando e de repente eu ser atingido, afirmou Petecão’.

Estranha o fato de o senador ser vice-líder de Bolsonaro no congresso e o coordenador da bancada federal do Acre em Brasília, tendo ele mais autoridade e até acesso ao ministro da justiça Sérgio Moro e ao presidente Jair Bolsonaro.

Petecão não descarta seguir o posicionamento da deputada Perpétua Almeida, solicitando uma ação emergencial do Palácio do Planalto, para que se tenha uma solução a este faroeste vivido no Acre, especificamente em Rio Branco.

Já o deputado estadual Roberto Duarte (MDB), disse que algo tem que mudar na atuação e plano de combate ao crime. Não vemos ações com resultados e a população estar refugiada com medo enquanto o estado falha na guerra contra o crime organizado, disse Duarte durante entrevista à um site local.

O secretário de segurança ainda questionou o porque da deputada Perpétua Almeida, só fazer críticas e insinuar intervenção federal agora e não em 2017, período em o Acre estava em 2º lugar no ranking da criminalidade. Paulo Cézar nem se deu conta, que a parlamentar assumiu o mandato em janeiro deste ano, quando se elegeu na disputa das últimas eleições.

O fato é que além dos desencontros de ideias e propostas, a bancada federal do Acre deveria sentar no retorno do recesso e tomar providências, o que não pode é o cidadão de bem viver confinado dentro de casa, sem a segurança a que tem direito.