A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE), por meio da Divisão de Tecnologia Educacional está presente na Expoacre de 2019.

E uma das atrações é o Museu Tecnológico, um conjunto de aparelhos e produtos utilizados há 40, 50 anos e que remetem a trajetória dos atuais computadores.

O chefe da Divisão, professor Rarismar Bezerra, informa que um dos objetivos do Museu é mostrar à população as tecnologias que existiam e que eram utilizadas há 30, 40 anos. “São aparelhos que a maioria dos jovens não conhecem e ficam espantados como eles eram e como funcionavam”, disse.

Entre os aparelhos expostos estão uma TV de tubo fabricada em 1974, máquinas de escrever também da década de 70, fitas cassetes, disquetes de computadores da década de 80, telefones antigos, discos de vinil, um rádio antigo e até mesmo uma vitrola.

“Procuramos trazer um pouco daquilo que existia antigamente e que a maioria dos jovens hoje não conhece e eles geralmente fazem uma comparação de como os aparelhos funcionam hoje e como funcionavam antigamente”, faz questão de afirmar.

Mas não são apenas os jovens. Segundo eles, os mais velhos, quando tem contato com aparelhos e equipamentos que eles conheciam costumam se emocionar. “Como são equipamentos que não estão mais à venda no mercado, eles retornam às suas juventudes”, destaca.

Outra importância do Museu Tecnológico, segundo ele, é para que as pessoas possam perceber que as atuais tecnologias não poderiam existir se não fosse as evoluções pelas quais certos equipamentos passaram. “Alguns sequer existem mais, como as fitas cassetes, mas sem elas um pouco da história da música não seria contada, por exemplo”, frisou.