Em Manaus, Gladson pede a Bolsonaro e a Paulo Guedes mudanças no modelo de preservação da Amazônia

Governador acreano concorda que é preciso manter a floresta em pé, “mas é urgente colocar o homem da região em condições de dignidade e cidadania”

Por Tião Maia – Em discurso no início da tarde desta quinta-feira (25) em Manaus (AM), o governador do Acre, Gladson Cameli, disse, diretamente ao presidente Jair Bolsonaro e a seu ministro da Economia, Paulo Guedes, que o governo precisa imediatamente inserir a Amazônia num projeto de desenvolvimento do país e criticou o atual modelo de preservação ambiental na região. De acordo com o governante acreano, o atual modelo de preservação precisa ser aperfeiçoado. “Concordamos todos que é fundamental manter a floresta em pé, mas é ainda mais urgente colocar o brasileiro em condições de dignidade e cidadania”, disse.

Gladson Cameli, que é o atual presidente do conselho administrativo da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), falou em nome dos governadores dos cinco estados da região Norte. As reuniões anuais da Suframa servem como prestação de contas do que se tem feito para impulsionar as atividades da Zona Franca de Manaus, em relação ao seu funcionamento para buscar ações de desenvolvimento para os estados que a compõem – Acre, Rondônia, Roraima, Amapá e Amazonas.

Os governadores da Amazônia, além do presidente da República e dos ministros da Economia e das Ciências e Tecnologias, além de outras autoridades e representantes do setor industrial privado do país, estão no Amazonas participando de mais um encontro anual do Conselho Administrativo da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), no qual Gladson Cameli, ao discursar, disse, em nome dos demais governadores, que os estados e governos da Amazônia, ao exigirem respeito e dignidade para seus povos, não pedem benefícios ou privilégios.

“Pelo contrário, estamos habituados aos sacrifícios: muitas vezes para satisfazer discursos vazios criados em gabinetes confortáveis ao redor do mundo, quando abrimos mão de utilizar nossos recursos naturais que poderiam minimizar o sofrimento de uma população que ainda carece dos cuidados básicos”, disse o governador. “Concordamos com todos que é fundamental manter a floresta em pé, mas é ainda mais urgente colocar o brasileiro em condições de dignidade e cidadania”, reafirmou

O governador acreano também abordou temas atuais. Disse que a Reforma da Previdência e a integração da Amazônia num projeto que reduza as diferenças econômicas e socais são fundamentais para que a Amazônia possa a se ombrear às demais regiões do país Ainda na condição de presidente do Conselho Administrativo da Suframa, Cameli abriu o encontro, realizado na sede da Suframa, em Manaus, na zona do Polo Industrial da capital amazonense, se dirigindo a Bolsonaro e a Paulo Guedes.

“Um país só se solidifica quando diminui suas diferenças e propõe que o desenvolvimento seja partilhado por todos. Sei e confio que o pensamento do senhor presidente nos conduz nesse sentido”, disse o presidente o governante acreano. Na plateia, autoridades dos três poderes do Amazonas, do governo federal e de empresários e industriais da Amazônia. “Queremos fazer parte do Brasil de fato e direito. Falo pelo meu estado, o Acre que somente agora, mais de 500 anos após o descobrimento da nossa terra, terá uma ligação terrestre com o restante do país. Precisaremos recuperar todo esse tempo”, acrescentou, referindo-se à ponte sobre o rio Madeira, a ser inaugurada ainda este ano. .

Para o governador acreano, o isolamento não é uma exclusividade do seu Acre ou por falta de acesso físico. “Para nós, brasileiros da região Norte, o isolamento não é apenas geográfico. É muitas vezes social, tecnológico e político”, disse.

“E para isso, senhores, o Ministério da Ciência e Tecnologia, assim como o Ministério da Economia deve entender nossa região inserida num projeto de país. E um país só se solidifica quando diminui suas diferenças e propõe que o desenvolvimento seja partilhado por todos. Sei e confio que o pensamento do senhor presidente nos conduz nesse sentido”, acrescentou.

Gladson Cameli disse também que seu governo está atento ao que acontece em Brasília em relação à Reforma da Previdência. “Nós, governadores, estamos fazendo a nossa parte ao orientarmos toda a bancada da região Norte a votar a favor da Reforma da Previdência, tão necessária, não apenas para esse governo, mas o país e as para as próximas gerações”, disse. “Queremos que os efeitos dessa reforma se estendam para estados e municípios, criando condições para melhorar a gestão pública e entregar a população o resultado que ela espera e precisa de seus representantes. Aos deputados federais e senadores aqui presentes – duas casas onde me foi concedida a honra de atuar –, a mensagem é forte e clara: incluir os estados e municípios na Reforma da Previdência não é luxo ou capricho. É necessidade urgente e responsabilidade dos senhores com o povo que lhes elegeu”.