Suspeito de furtar carros de luxo e vender a baixo custo em Cobija e Guajará Mirim é preso com CNH falsa

Suspeito tentava alugar um veículo no momento que foi abordado. Após a prisão em flagrante por portar documento falso, a polícia pediu a prisão preventiva dele por estelionato.

Um homem foi preso, na manhã de quinta-feira (11), em uma locadora de veículos em Rio Branco. Felipe Basley, de 24 anos, portava uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsa e é suspeito de praticar estelionato.

De acordo com a polícia, ele teria alugado pelo menos seis veículos e vendido na Bolívia.

A Delegacia de Combate a Roubos e Extorsões (DCORE) chegou ao suspeito com a ajuda da Polícia de Porto Velho que já investigava Basley. Ele teria alugado três veículos na cidade de Rondônia e outros três em Rio Branco.

“Conseguimos constatar que esse indivíduo havia alugado, pelo menos, seis veículos, sendo três aqui em Rio Branco e três na cidade de Porto Velho e todos tinham como destino a Bolívia. Pelo menos cinco teriam sido vendidos em Cobija e um deles foi entregue Porto Velho, mas seria levado para a Bolívia por Guajará Mirim”, explica o delegado Sérgio Lopes.

De acordo com o delegado, o suspeito tentava alugar mais um veículo no momento que foi abordado. Após a prisão em flagrante por portar documento falso, a polícia pediu a prisão preventiva dele por estelionato.

“Ele estava portanto uma CNH, em tese, expedida pelo estado de São Paulo. Quando consultamos o banco de dados do Detran, constatamos que não existe essa CNH, então prendemos ele pelo crime de uso de documento falso que prevê uma pena de dois a seis anos de prisão. Além disso, junto com o auto de prisão, encaminhamos uma representação pela prisão preventiva por conta desses outros crimes praticados”, pontuou o delegado.

A maioria dos carros roubados era de luxo e vendido a baixo custo no país de fronteira, com preços a menos de R$10 mil.

“Esperamos que o pedido seja acatado pelo judiciário e que ele responda pelos crimes dele preso. Como é de origem criminosa, esse é preço praticado por veículos de origem ilícita, ele vendia um Renagade por cerca de R$9 mil caminhonete por R$ 20mil”, disse.

Além disso, o delegado disse que a esposa de Basley estava com um carro alugado e após a prisão, ela devolveu o veículo à locadora. O delegado informou que as investigações vão continuar porque suspeita que ele tenha cometido outros crimes. Do G1 Acre