Polícia prende homem após um ano de investigações por vários crimes no Acre

De acordo com a polícia, o homem é suspeito de fazer parte de organização criminosa, envolvimento com tráfico de drogas, associação ao tráfico, tráfico de armas e ainda homicídios.

Um homem foragido da Justiça por sequestro e com mandado de prisão preventiva expedido foi preso, na noite de quinta-feira (11), em Rio Branco, após abordagem de rotina da Polícia Militar. Ele foi apresentado nesta sexta-feira (12), na Divisão Especial de Investigações Criminais (Deic).

Após a abordagem e feita a consulta, foi constatado que Francisco Camilo de Oliveira, de 36 anos, conhecido como “Nego Nildo” tinha um mandado de prisão expedido por condenação em um crime de sequestro, ele era investigado pela polícia de Brasileia.

Além disso, ele tinha outro mandado de prisão preventiva por suspeita de fazer parte de organização criminosa, envolvimento com tráfico de drogas, associação ao tráfico, tráfico de armas e ainda homicídios, segundo informou o delegado Karlesso Nespoli.

“Essa pessoa era investigada há um ano pela delegacia de Brasileia. Toda equipe lá com empenho em produzir provas contra essa pessoa que era liderança de organização criminosa e nós não conseguíamos, apesar de saber o que ele fazia, provar o envolvimento dele”, disse o delegado.

Atuação na fronteira

De acordo com o delegado, ele atuava na região de fronteira e tinha contato forte com fornecedores da Bolívia e do Peru, tanto que também foram pedidas prisões preventivas de pessoas que atuam nesses países.

“Depois da investigação, a equipe conseguiu provar que ele, além de fazer parte de organização criminosa, estava envolvido com tráfico de drogas, associação ao tráfico, tráfico de armas e ainda homicídios contra membros de facção rival. Pessoa extremamente perigosa, muito cautelosa em relação a situação e por acaso estava foragido aqui em Rio Branco”, explicou.

O advogado Alberto Machado, que acompanhou Oliveira durante o depoimento, disse que não tinha conhecimento da condenação anterior dele e também interferiu para não fossem feitas imagens do preso.

“Ele tem mandado de prisão, foi para a Defla e veio aqui para a DIC prestar depoimento e gostaria que ele não fosse filmado porque é direito constitucional dele ser resguardado. Ele está acusado de ter cometido algum crime e quem pode cercear direito dele, se for o caso, se talvez chegue a ser condenado, é o juiz”, disse.

Sobre a condenação por sequestro, o advogado disse que não se de sua ossada porque não foi o advogado dele durante o processo. Por Alcinete Gadelha, G1 Acre