Filho que matou pai com tiro acidental de espingarda na zona rural de Rio Branco se apresenta na delegacia

Delegado diz que rapaz confessou e confirmou que confundiu pai com homem que o ameaçou. Ele foi liberado após oitiva. Crime ocorreu no sábado (6), na zona rural de Rio Branco.

O filho que matou o próprio pai, de 54 anos, com um tiro de espingarda disparado de forma acidental, se apresentou na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo o delegado responsável pelo caso, Martin Hessel, o rapaz confessou o crime e, após prestar depoimento, foi liberado.

O homicídio ocorreu na noite deste sábado (6), no quilômetro 6 da Estrada de Porto Acre, zona rural de Rio Branco. Familiares da vítima estiveram no Instituto Médico Legal (IML), no domingo (7), para aguardar a liberação do corpo, mas preferiram não comentar sobre o caso.

O delegado disse que o rapaz confirmou que confundiu o pai com um homem que o teria ameaçado horas antes em uma vaquejada.

“Ele veio até a delegacia, confessou e apresentou a arma utilizada também. Já encaminhamos a arma para a perícia e agora é finalizar ouvindo as outras testemunhas que estavam no local. Até esta quarta-feira [10], ouvimos apenas o autor do disparo, mas vamos fazer oitiva de mais cinco pessoas até o final desta semana”, disse o delegado.

Hessel afirmou que não pediu a prisão do rapaz, porque precisa concluir o inquérito. “No momento não vou pedir, vamos verificar se há necessidade desse pedido de prisão. Pelo crime, ele vai responder normalmente, pelo homicídio. O processo também vai tramitar normalmente”.

Morte acidental

O comandante da patrulha do 5º Batalhão da Polícia Militar, que atendeu a ocorrência, tenente Moisés Nascimento, contou que o filho da vítima teria atirado acidentalmente após confundir o pai com um homem que o teria ameaçado momentos antes em um evento.

“A informação preliminar é de que trata-se de um homicídio, em que o autor teria participado antes de uma vaquejada e aí foi ameaçado por um terceiro e foi para casa. Chegando em casa, um tempo depois disso, o pai dele foi até o local e ele, temendo essa ameaça, confundiu o pai com um dos autores da ameaça, e, infelizmente, efetuou o disparo e a vítima veio a falecer”, contou Nascimento.

Quando a polícia chegou no local, o filho que disparou contra o pai não foi localizado e nem a arma usada no crime.