Paulo Wadt diz que faltou maturidade do PSDB, para lidar com os problemas da deputada Mara Rocha

A manhã de quarta-feira (10) foi bastante agitada pelos corredores e salas da Assembléia Legislativa do Acre.

Isso por conta de ser a véspera do recesso parlamentar e discussão intensa sobre as LDO – lei de Diretrizes Orçamentárias, que está marcada para ser votada nesta quinta-feira dia 11.

Além disso, teve a presença do secretário de Agricultura, Produção e Agronegócio do governo do estado do Acre Paulo Wadt. Atendendo à um requerimento do deputado estadual: Edvaldo Magalhães (PCdoB),que teve aprovação por unanimidade da casa, Wadt foi sabatinado por mais ou menos quatro horas seguidas.

Os parlamentares queriam esclarecimentos do gestor, a cerca de graves acusações proferidas pela deputada federal Mara Rocha (PSDB), que acusou o secretário de fazer looby para empresários de Rondônia, além de coagir servidores da EMATER.

Paulo wadt é do mesmo partido de Mara Rocha o PSDB e, teve sua indicação a partir de um pedido da própria deputada. Acontece que os dois acabaram tendo um desentendimento, que culminou em uma das majores crises políticas do governo Gladson Cameli durante os seis primeiros meses.

Mara pediu ao governador que exonerasse Wadt da pasta, haja vista que este, não estaria mais alinhado com a ética e com o que ela e seu grupo, julgaram ser um desencontro com o fortalecimento do setor.

O fato é que Gladson segurou Paulo Wadt e o mesmo foi adotado pelo senador Sérgio Petecão e o secretário todo poderoso da casa civil, Ribamar Trindade.

Vários parlamentares fizeram questionamentos à Wadt, sobre as supostas denúncias da parlamentar Tucana. O mesmo respondeu á todos e acrescentou mais elementos na confusão, afirmando que realmente trouxe sim uma sócia comercial para ajudar na gestão, mas desmentiu boatos de destrato com servidores e de que estaria fazendo uso indevido de recursos.

Indagado pelo deputado estadual José Bestene (PP), sobre o que o levou a romper com Mara Rocha o secretário respondeu, ‘ Não consigo até hoje compreender quais os motivos’. Wadt afirmou que, nunca fez nada fora da órbita do PSDB.

Os cargos da SEPA eram todos dado ao partido e inclusive tivemos mais do a deputada imaginara, destacou o gestor, que foi além, quando surgiram as manchetes dos jornais em que a deputada pedia minha cabeça; o governador Gladson me ligou às 05:00 horas da manhã.

Ele disse que o governador ligou para passar tranqüilidade, além de apenas pedir que prosseguisse com seu ritmo de trabalho.

Faltou Maturidade ao partido, para orientar a deputada iniciante, que causou alarde desnecessário, afirmou Wadt. Meu cargo foi escolhido pelo PSDB  e não pela pessoa individual da Mara, finalizou o mesmo.

O presidente da comissão de serviços públicos da ALEAC; Edvaldo Magalhães, ainda pediu agilidade do gestor, quanto aos pagamentos em atraso no setor produtivo. Muitos seringueiros e cooperados das reservas e projetos de assentamentos se fizeram presentes, para reivindicar diversas questões referente aos setor.