Distribuição é feita em Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima, cidades com maiores índices de malária do Acre.

Nos cinco primeiros meses do ano, o Acre registrou 5.130 mil casos de malária e, como medida de prevenção e controle, equipes da Secretaria da Saúde do Acre e do Ministério da Saúde entregam mosquiteiros durante visitas técnicas.

As ações iniciaram nesta segunda (3) e devem seguir até a sexta-feira (7). Os mosquiteiros devem ser entregues nas três cidades do Vale do Juruá com maiores índices da doença, que são Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves, interior do Acre.

Segundo a Vigilância Epidemiológica do estado, os dados de casos da malária correspondem ao boletim de janeiro a 30 de maio deste ano. A cidade de Cruzeiro do Sul registrou 2.483 mil casos; Mâncio Lima contabiliza 1.571 mil e Rodrigues Alves 810 casos no período de avaliação.

O técnico responsável pela Vigilância Epidemiológica do Acre, Dorian Jinki, explicou que os mosquiteiros chegaram ao Acre ano passado e as equipes iniciaram a entrega no mês de novembro. Devido ao período de chuva, a entrega e visita foi suspensa, retornando essa semana.

“Como chegou o período de estiagem, as equipes estão distribuindo e estamos acompanhando. A agenda começou no dia 3, começamos por Porto Acre pela manhã, à tarde em Senador Guiomard e no final da tarde fomos para Rio Branco. Na terça [4] tivemos uma pequena reunião com a equipe estadual de saúde e em seguida seguimos para Cruzeiro do Sul”, explicou.

Cidade que preocupa

Apesar de não estar incluída entre as cidades com maiores índices da doença, o município de Senador Guiomard tem recebido uma atenção maior da Saúde. De acordo com Jinki, os registros de malária subiram de 85, em 2018, para 104 casos em 2019.

“Senador Guiomard é o que mais nos preocupa, está em uma situação bem delicada. Estamos monitorando e articulando ações emergenciais para controlar.

Redução

Ainda segundo o técnico, os registros da doença no estado em 2018 eram maiores dos apresentados este ano. Em números contabilizados entre janeiro e maio do ano passado, o Acre tinha 13.576 mil casos. Já esse ano, os registros caíram para 5.130 mil casos no período de avaliação.

Concomitante, a redução também foi percebida nas três cidades do Vale do Juruá que concentram 90% da malária do estado. Em 2018, Cruzeiro do Sul confirmou 6.922 mil casos, Mâncio Lima 4.118 mil e 2.155 mil casos. Esses números baixaram para 2.483 mil casos, 2.483 mil e 810 casos em 2019, respectivamente.

“Os municípios de alto índice estão seguindo uma linha de redução, com todo um esforço, trabalho em conjunto entre Estado, municípios e Ministério com a atenção básica. Isso gera uns números bem positivos”, avaliou o técnico.

Do g1 Ac