Criança morta e esquartejada no DF foi sequestrada há 5 anos do Acre pela mãe, diz família

Família do pai do garoto diz que mãe fugiu do Acre em 2014 e nunca mais deu notícias. Corpo de Rhuan Maicon foi encontrado dentro de uma mala em Samambaia (DF), neste sábado (1).

Rhuan Maicon tinha quatro anos quando saiu do Acre com a mãe, segundo avô — Foto: Arquivo da família

O pequeno Rhuan Maicon, de 9 anos, encontrado morto na madrugada deste sábado (1) em Samambaia, no Distrito Federal, foi sequestrado há cinco anos pela mãe, Rosana Auri da Silva Cândido, de 27 anos, do Acre. 

O corpo de Rhuan foi achado esquartejado dentro de uma mala na quadra QR 425 de Samambaia. A suspeita é de que a mãe do menino, Rosana, tenha cometido o crime com a ajuda da companheira dela, Kacyla Pryscila Santiago Damasceno Pessoa, 28. As duas estavam em casa quando a polícia chegou e foram presas.

Abalado com a notícia, o eletricista e avô da criança, Francisco das Chagas, mais conhecido por Chaguinha, falou que Rosana teve um relacionamento com o filho dele, mas que nunca cuidou do menino e ele foi criado até os quatro anos pela família do pai.

Família ainda tinha esperanças de encontrar o menino — Foto: Tálita Sabrina/Rede Amazônica Acre

Porém, em 2014, Rosana teria fugido do estado acreano com a criança e a companheira. O pai de Rhuan tinha a guarda da criança dada pela Justiça do Acre.

“Ela ficou dentro da minha casa desde a gravidez, ficou com meu neto e cuidei dele até os quatro anos. Ela vivia com essa outra mulher, tinha separado do meu filho. Nunca cuidou do menino”, explicou.

Fuga

Ainda segundo Chaguinha, a família registrou um boletim de ocorrência em Rio Branco após o sumiço do garoto. O eletricista conta que fez buscas em várias cidades do país para tentar encontrar o neto.

Além dos registros na delegacia, a família fazia buscas pelo menino através das redes sociais, como mostra uma postagem feita em 2015 — Foto: Reprodução/Facebook

“Tivemos na delegacia e Conselho Tutelar de Anápolis [GO], reviramos tudo e ela fugiu para Palmas, no Tocantins. Lá fizeram um roubo, foram para Trindade e depois Brasília [DF]”, revelou.

O eletricista diz ainda que Rosana sempre fugia para outro estado ao saber que a família do menino estava na região. De acordo com ele, a mãe tinha mandado de prisão por roubo.

“Vivia roubando as coisas. Tem de dois a três mandados de prisão em Palmas, Trindade e Anápolis também por roubo. Não tenho palavras para dizer, amava me neto de todo coração e essa dor nunca vai passar”, lamentou.

Chaguinha diz que cuidou do neto Rhuan Maicon desde quando ele nasceu — Foto: Arquivo da família

Chaguinha explicou que a família não deve ir até Samambaia para buscar o corpo do menino. Ele afirmou também que soube da morte do neto através da filha mais velha, que viu em um site de notícias.

“Não tem como a gente ir para lá. Acabou. Pra mim, ela [Rosana] é um monstro, não é um ser humano, não são pessoas, são dois monstros. Uma pessoa que faz um negócio desse não é de Deus”, diz.

Emocionado, o eletricista falou da paixão que tinha por Rhuan e diz desconhecer o motivo para a barbaridade.

“Nem imagino o motivo que fez isso com o próprio filho. Nunca cuidou dele, quem cuidava era eu e a avó dele. Tenho outros netos, mas ele era minha paixão. Pedimos por justiça, mas sabemos como funciona. Essas pessoas que matam criança matam pai, mãe, tudo”, concluiu. A informação foi repassada ao G1 pela família do pai do menino.