Mototaxista cai em golpe e perde mais de R$ 50 mil ao tentar comprar trator em Brasileia

Antônio Silva negociou com criminoso por telefone para comprar trator que estava em Brasileia. Genro da vítima chegou a ver a máquina, fechou contrato e dinheiro foi depositado em uma conta do Mato Grosso.

O mototaxista Antônio da Silva, de 49 anos, viu o sonho de montar o próprio negócio acabar ao cair em um golpe. Tudo começou quando ele viu um trator de R$ 50 mil para vender em um aplicativo de compra e venda.

O veículo estava em Brasileia, e a vítima em Sena Madureira. O anúncio era verdadeiro, mas, mal sabia Silva que um estelionatário havia pegado informações no aplicativo para se passar por um sócio do dono da máquina e aplicar golpes.

Ele contou que um genro chegou a ver a máquina em Brasileia e conversou com o verdadeiro dono do trator. Mas, toda a negociação foi feita através do telefone. Para o dono do veículo, o criminoso dizia que iria comprar a máquina para pegar uma dívida.

Já para o mototaxista, ele dizia ser o intermediário do negócio. O genro da vítima esteve com o dono, tirou fotos da máquina e fechou o contrato, mas acabou não pegando detalhes para o depósito, já que o sogro dizia estar negociando por telefone.

Depósito

Silva acabou depositando o dinheiro na conta que o estelionatário passou pelo telefone e só percebeu que havia caído em um golpe quando o caminhão para buscar o trator chegou ao local e o verdadeiro dono do veículo afirmar que não havia recebido o dinheiro.

“Soube da venda da máquina e não tinha número. Meu genro então mandou mensagem e o criminoso mandou um número de telefone do Mato Grosso. O valor de venda era de R$ 52 mil, convenci ele a baixar para R$ 50 mil com o pagamento do frete. Disse pra ele que estava tudo certo, ia mandar meu genro olhar o trator e mandava todas as informações”, relembrou.

Ainda segundo Silva, o criminoso falou que era um sócio do dono da máquina. Já em conversa com o proprietário, o estelionatário alegou que iria comprar o trator para dar como pagamento de uma conta para o mototaxista. Por isso, a negociação parecia ocorrer normalmente.

“Meu genro ligou dizendo que estava tudo certo e que podia depositar o dinheiro. Fiz o depósito e mandei um caminhão de Rio Branco buscar o trator. O caminhão estava perto de chegar e o verdadeiro dono falou que só podia liberar o trator quando o pagamento fosse feito. Meu genro falou que o pagamento tinha sido feito para um sócio dele, mas o dono falou que não tinha sócio”, falou.

Sonho acabado

Silva falou que ficou sem chão ao saber que o dinheiro não tinha caído na conta do proprietário da máquina. O genro dele e o vendedor foram na Delegacia de Brasileia registrar um boletim de ocorrência pelo crime.

Meu genro veio embora porque o dinheiro já tinha sido depositado em uma conta do Mato Grosso, de uma mulher. Pediram para eu ir no banco porque era fraude, mas a gerente viu a conta e disse que o dinheiro tinha sido depositado em cinco contas. Deu um desespero”, lamentou.

O valor depositado para o criminoso foi de R$ 51,2 mil, que o mototaxista diz ter passado anos guardando à espera de uma oportunidade de comprar uma máquina pesada e investir no próprio negócio.

“Fazia muito tempo, vamos juntando devagar, minha mãe me deu uma parte. Sonho foi embora. Trabalhei há sete anos em mecanização agrícola, consegui muitos clientes e estava tentando trabalhar nisso. Quem é milionário quando perde acha ruim, imagina uma pessoa que rala a vida toda honestamente para conseguir uma quantia dessa, no mundo que estamos hoje é difícil”, disse.

A reportagem tentou contato com a delegada de Brasileia, mas não obteve retorno até esta publicação. Com informações do G1 Acre.