Sindicato dos gestores de políticas públicas e dos técnicos em gestão pública fazem manifestação por não conseguir ter diálogo com a SGA

As informações dão conta de que a categoria irá se reunir novamente após este ato e se a situação continuar a mesma os gestores e técnicos tomarão medidas mais extremas.

Na manhã desta quarta-feira (15), o sindicato dos gestores público e dos técnicos em gestão pública (são duas categorias pertencentes ao mesmo sindicato) resolveram fazer manifestação na Assembleia Legislativa do Estado do Acre (ALEAC) pelo fato de não terem conseguido até hoje, dialogar com a Secretaria de Gestão Administrativa (SGA) que é a Secretaria de origem do referido sindicato.

O Sindicato vem buscando trabalhar a questão das pautas como por exemplo: Pautas residuais de isonomia de direito, que precisam ser repassadas para as categorias e para os servidores; além da direitos que estão travados dentro da secretaria, a exemplo, promoções, prêmios, reenquadramento e pauta de isonomia que é a cumulatividade de situação que já foi concedida para outras secretarias.

São em média 600 servidores que estão sendo prejudicados com esta falta de comunicação entre os interessados, segundo informações, houve uma conversa em janeiro, mas de lá para cá as agendas foram cessadas completamente, o sindicato tem foi pedido, mas infelizmente não recebem resposta a respeito dos assuntos que deveriam ser tratados, vale deixar claro que o sindicato não quer um ato político e sim busca resposta para vários assuntos que infelizmente estão vagos sem respostas.

A classe que deu entrevista a redação do site 3 de Julho notícias, deixa claro que não está solicitando aumento de salário, mas quer um posicionamento da SGA, após o ato de hoje a categoria irá se reunir novamente e se a situação continuar vão tomar outras medidas como: Greves, paralização e até mesmo requerer medidas judiciais.

Vale ressaltar que uma medida extrema como greves e paralização, abalaria toda a estrutura do governo do estado, pois os trabalhos dos gestores e técnicos estão em todos os órgãos e todos os municípios do estado, se o sindicato parar haverá sim uma grande complicação no andamento dos trabalhos seja na saúde, Educação, administração e outros.