Cesário diz que aliança PT-MDB é apenas pontual na Aleac

O Golpe aplicado no Brasil e seu programa Ponte para o Futuro foram –e continuam sendo – decisivos para a atual crise econômica e política na qual o Brasil está inserido.

O presidente do PT, Cesário Braga, descarta a possibilidade de uma aliança entre o seu partido e o MDB num apoio à hipotética candidatura á PMRB do deputado Roberto Duarte (MDB). Mas destaca que de fato há um alinhamento pontual num bloco de oposição ao governo Gladson Cameli entre o PT-MDB-PCdoB, na ALEAC, e do qual Duarte participa. Vamos à Nota do Cesário: “Guardado o devido respeito á história do MDB, que já abrigou todos os partidos progressistas da esquerda no período da clandestinidade e aos deputados Roberto Duarte e Meire Serafim, afirmamos que não existe a possibilidade de uma aliança do PT/Acre com o MDB/AC. As nossas divergências sobre programa e modo de agir na política nos colocam em posições antagônicas nesse momento da história. O MDB, o Golpe aplicado no Brasil e seu programa Ponte para o Futuro foram –e continuam sendo – decisivos para a atual crise econômica e política na qual o Brasil está inserido. O que existe hoje é um alinhamento na ALEAC entre os deputados do PT-PCdoB e parte do MDB, fruto do interesse mútuo em assegurar o melhor para o povo do Acre. Cesário Campelo Braga – Presidente PT/Acre”.

REAÇÃO PREVISTA

A reação à proposta defendida pelo deputado Daniel Zen (PT) de uma aliança com o MDB, já tinha sido antecipada na própria declaração do parlamentar á coluna. Mas, pela NOTA do PT, continuará a aliança entre os deputados Daniel Zen (PT), Roberto Duarte (MDB), Jenilson Lopes (PCdoB) e Edvaldo Magalhães (PCdoB), na frente de oposição ao governo Gladson, na ALEAC.

TRABALHO DANADO

Esta tropa de choque da oposição formada pelo PT-MDB-PCdoB – tem dado um trabalho louco ao governo Gladson Cameli, chegando a lhe impor derrotas emblemáticas em votações.

MESMA LADAINHA

Nada de novo na entrevista do ex-presidente Lula. Repetiu a velha ladainha do não sei, eu não vi, sou vítima e outros chavões e que não aceita a sua condenação, mesmo com todo o direito de defesa pelas cortes brasileiras. É o mesmo Lula puxando pelo sentimental da perseguição.

OS LÚCIDOS E OS ALOPRADOS

No segundo turno; votei no Jair Bolsonaro, era ele ou o Fernando Hadad. Passado quatro meses se pode dizer que, o governo Bolsonaro se divide entre a ala dos filhos aloprados e a ala lúcida, formada pelo vice-presidente General Mourão e pelo Ministro Paulo Guedes.

DIFERENÇA E RECONHECIMENTO

Tenho profundas diferenças ideológicas com a deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB), mas não posso deixar de reconhecer que foi e continua sendo uma boa parlamentar, quando se trata de reivindicar a favor do Acre. Mas também prima pelo populismo barato, como jogar para a platéia de assinar recurso ao STF contra a Reforma da Previdência, essencial ao Brasil.

NÃO DEVE ROMPER

Falei ontem com o deputado federal Alan Rick (DEM). E, me disse que foi convidado pelo governador Gladson Cameli para uma conversa e somente após isso, vai reunir a executiva do DEM, para deliberar sobre uma posição oficial. Deu para sentir que não romperá a aliança.

CONFIRMAÇÃO QUE FICA

Ontem, tive a confirmação que o deputado Antonio Pedro (DEM) não desembarcará do governo. Eu já tinha anunciado. A avaliação é que o movimento de rompimento foi apenas um rompante de alguns dirigentes do DEM, com declarações no calor da emoção.

ESPERAR O GLADSON CAMELI

O senador Sérgio Petecão (PSD) revelou ontem à coluna de que não vai tomar nenhuma posição política este ano sobre a eleição para a prefeitura de Rio Branco. “É muito cedo. Vamos esperar também ver como pensa o governador”, destacou de forma comedida.

ANÃO NO SAPATO

Essa história da candidatura do anão Montana Jack (PSD) a vereador de Rio Branco pode até ser engraçada, mas no contexto partidário prejudicará a candidatura da vereadora Lene Petecão (PSD), já que, ambos correm na mesma raia política. Podem morrer abraçados.

CHAPA ALTERNATIVA

O jornalista Wiliandro Derze lançou uma chapa alternativa para a disputa da presidência do diretório municipal do MDB, que acontecerá na próxima sexta-feira. Resolveu peitar o candidato da cúpula emedebista, deputado Roberto Duarte (MDB), visto como favorito.

NÃO É FÁCIL

Na política não há o impossível. Mas será difícil o deputado Géhlen Diniz (PROGRESSISTAS) bater o prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, com facilidade, como acredita. Mazinho é um prefeito que sabe usar o poder, e isso pesa numa campanha num município pobre

VIRTUDE QUE NÃO SE TIRA

O leitor pode não gostar do Jorge Viana pelas razões que bem entender, mas não pode deixar de lhe reconhecer uma virtude administrativa: as obras públicas, como Canal da Maternidade, por exemplo, eram limpas, bem cuidadas e iluminadas. Viraram escombros ao sair do governo.

RAZÕES SOBEJAS

Por isso, o JV, como ex-governador, tem razão de reclamar do abandono dessas obras.

SINAL EVIDENTE DE 2020

O governador Gladson Cameli tem sido representado em inaugurações e outros compromissos pelo secretário de Infraestrutura, Thiago Caetano. Voltou acontecer ontem numa ida programada a Sena Madureira, que por um mal-estar, designou o Thiago para lhe representar.

PETISCO DE PIZZA

A reunião de ontem com os dirigentes da ANEEL na Assembléia Legislativa foi apenas um petisco para a pizza tamanho família que será a “CPI da ENERGISA”, criada na ALEAC, para satisfazer a oposição e colocar o governo Cameli na parede. Com sabor quatro queijos.

A POLÍTICA VALE O MANDATO

O deputado Manoel Moraes (PSB) está certo ao colocar o dedo no suspiro para impedir que o ex-deputado federal César Messias (PSB) ocupe a presidência do partido. Messias não tem mais mandato. E o político sem mandato é como boi sem chocalho, não puxa a manada. Vale o mandato.

OREMOS!

Do início do ano até hoje 98 pessoas foram executadas pelos bandidos no Estado. Uma estatística de mais de uma morte por dia. Os bairros campeões da violência são as regiões do Calafate e Belo Jardim. O Gladson diz que no segundo semestre, a “coisa muda”. Oremos!

PROPENSA A ACEITAR

Conversando ontem com um amigo que conhece bem a ex-deputada Leila Galvão (PT), na sua avaliação, se houver um consenso partidário e de segmentos sociais e empresários no apoio ao seu nome, ela poderá aceitar disputar a prefeitura de Epitaciolândia no próximo ano.

CABEÇA DE CHAPA

Pelo lado dos aliados do governador Gladson Cameli, quem luta para ser o candidato único do grupo a prefeito na cabeça da chapa a prefeito é o radialista Chiquinho Chaves (PSD), que tem o apoio do senador Sérgio Petecão (PSD). Quer o ex-prefeito Luizinho Hassem (SD) de seu vice.

ARROGÂNCIA PASSA LONGE

Muito comentada entre os jornalistas a forma educada e simples da deputada Meire Serafim (MDB), como trata quem a procura. Ter sido a mais votada deputada da última eleição não fez a arrogância lhe subir à cabeça. Ao contrário de alguns, que acham terem sido eleitos deuses.

JANAÍNA FURTADO

No maremoto de críticas contra a prefeita de Tarauacá, Marilete Vitorino, um nome que surge como contraponto à sua gestão, numa candidatura competitiva, é a vereadora Janaína Furtado (REDE). Seu único adversário é o partido, sem expressão e estrutura naquele município.

PERDE O VALOR

Quando você ocupou por determinado tempo um cargo de secretário no governo e por uma razão ou outra foi demitido e depois que está fora passa a desqualificar o grupo ao qual pertencia, sinceramente, falta legitimidade. O bolo só prestou enquanto comia junto?

O QUE TENHO A VER COM MASOQUISMO?

Pergunta que chega e vou responder até de forma deselegante: “Crica, a Maria Alice, MDB, ganhou uma secretaria que será uma das mais importantes na nova configuração do governo. É prêmio pelo MDB ser oposição ao Gladson na Assembléia?”. Para mim, meu caro leitor, o Gladson Cameli pode dar secretaria até para o PT e PCdoB. Problema de masoquismo não me interessa. Recomendo ao internauta mandar a pergunta ao próprio governador, certo?

FORÇA DA JUVENTUDE

Os Jogos Escolares do Acre, que terão a participação de 25 mil atletas, e que foram abandonados no governo passado voltaram a ser realizados. Quando o governador Gladson Cameli acerta também tem de se reconhecer. Apoiar o esporte é investir na juventude.

NÃO É CADERNETA DE POUPANÇA

Um governador não pode agir de maneira irresponsável de não guardar dinheiro para pagar em dias os funcionários e nem deixar de se precaver para garantir o 13º salário. Mas também não pode fazer como está fazendo o governador Gladson Cameli de tratar o Estado como se fosse uma Caderneta de Poupança, enquanto por falta de dinheiro no comércio, acontece um engessamento da economia e que, fatalmente, vai redundar em desemprego. O bom gestor não é aquele que coloca os recursos numa redoma e fica admirando, mas o que sabe aplicar em atividades que gerem emprego e renda. A visão muquirana da equipe econômica do governo tem causado uma paralisia no Estado. Se alguma dúvida alguém tiver é só conversar com o empresariado. Não se ativa o crescimento se não colocar a moeda para circular. E, principalmente, num Estado pobre em que a iniciativa privada ainda é incipiente. É óbvio!