Delegados do Acre denunciam que governo quer retirar da Polícia Civil controle do “Guardião”

A insatisfação é decorrente da extinção da Secretaria de Polícia Civil que deve fazer parte do pacote da reforma administrativa enviada ao governo para a Assembleia Legislativa.

Os delegados de Polícia Civil Cleylton Videira, Karlesso Nespoli e Sérgio Lopes, aproveitaram uma apresentação de apressão de drogas para mandar um recado duro ao governador Gladson Cameli.

O presidente da Associação dos Delegados de Polícia Civil (Adepol), Cleylton Videira, disse que o grande prejuízo é da população. “Para a instituição o prejuízo é grande, mas é muito mais da população acreana que sofre todos os dias com o avanço das formas brutais de crime contra a vida, do tráfico de drogas com famílias sendo consumidas porque os filhos ou entram na traficância ou no consumo. Com essa mudança vamos ter que bater na porta de outra Secretaria para ter condições de realizar uma simples operação no interior, por exemplo. O nosso medo é que se perca a agilidade nas investigações e a garantia do sigilo”, afirma o delegado.

Uma outra reclamação é sobre a retirada do controle do Guardião, equipamento de escuta telefônica, para a Secretaria de Segurança Pública. “A retirada da nossa ferramenta de investigação que já foi requerida mais de uma vez pelo governo atual vai trazer ainda mais prejuízos à investigação. Nós não vamos mais garantir sucesso nas investigações que dependam dessa ferramenta. Investigações qualificadas que já levaram a desbaratar organizações criminosas, mas que também contribuíram para descobrir crimes contra a administração pública no estado e no município. O que vemos é uma ingerência nas ações investigativas da Polícia Civil do Acre”, afirmou Cleylton.

O motivo para rebaixar o status de Secretaria da Polícia Civil teria como razão aspectos financeiros, já que voltando a ser departamento economizaria recursos públicos. O delegado Sérgio Lopes discorda. “A Secretaria de Polícia Civil é toda ocupada por servidores efetivos. Esse discurso é vazio. Gostaríamos que fossem apresentadas as razões e que mostrassem o quanto se economizaria com essa mudança. Quanto ao guardião, indo para a Secretaria de Segurança Pública ele vai ser gerido por pessoas que não pertencem a Polícia Civil. Em tese, as investigações serão controladas por outras pessoas, o que é um grande prejuízo para a população”, destaca.

O vice-presidente da Adepol, delegado Karlesso Nespoli afirmou que há outra preocupação de que a perícia estaria saindo da Polícia Civil para a Segurança Pública. “Se tira o Guardião, depois tira a perícia que é outra ferramenta investigativa, o que vai nos restar? Por isso estamos entregando ao governador um documento técnico para que possamos sentar com ele para não modificar a autonomia e não deixar que essas ferramentas saiam da Polícia Civil”.

Leônidas Badaró e Davi Sahid / Ac24 horas