Alan Rick considera deslealdade demissão de Raphael Bastos

O clima esquentou nos corredores palacianos com a confirmada demissão do secretário de Planejamento Raphael Bastos, que foi indicado ao cargo numa composição de forças pelo DEM.

O presidente do DEM, Alan Rick, me disse ontem que considera o fato como uma deslealdade palaciana, um fogo amigo do grupo que os empresários detestam e que manipula dentro do governo. “O Gladson não teve o respeito de me comunicar que o indicado do partido seria demitido. Soube por um ZAP do governador que o secretário Raphael será demitido. E assim mesmo, porque lhe mandei uma mensagem perguntando se o fato era verdadeiro. Não teve o respeito de me ligar e dizer que iria praticar o ato, isso é brincadeira, não aceito”. Alan diz que vai ter uma conversa olho no olho com o governador Gladson quando este retornar ao Acre, para que lhe diga o motivo da decisão e as razões que apresenta. “Se indicar outro nome que não seja do DEM, como se propala, vamos reunir a executiva regional do DEM e decidir que rumo político nós iremos tomar”. Terei de comunicar ao chefe do gabinete da presidência, Onyx Lorenzoni; ao presidente Jair Bolsonaro; e ao presidente nacional do DEM, a forma como um aliado do governo federal e do governo estadual é tratado no Acre. Na conversa com a coluna Alan mostrou-se extremamente magoado.

ALAN TEM RAZÃO

É este tipo de atitude que complica a imagem do governador Gladson Cameli. Poderia ter chamado o deputado federal Alan Rick (DEM), um aliado fiel, e lhe dito que demitiria o secretário Raphael Bastos. Mas nem lhe comunicou. Não é uma postura de equilíbrio.

CANETA NOMEIA E DEMITE

Claro, a caneta que nomeia e a que demite. Numa gestão, o governador é livre para escolher com quem quer trabalhar. Mas o mínimo que se esperava era que tivesse respeito com um aliado que foi importante na campanha como o Alan Rick e ter lhe comunicado antes do ato. São atitudes que confesso não conseguir entender do governador Gladson Cameli. Por mais que tente.

SACANAGEM BRUTA

A rua principal de acesso ao Jardim Tropical não tinha um buraco no asfalto. O DEPASA fez uma obra no trecho e um serviço de recapeamento de péssima qualidade. Resultado: o asfalto recolocado afundou e virou uma porcaria. E a culpa não é da PMRB. A viúva pertence agora ao secretário Thiago Caetano, que terá de criar os filhos e fazer uma intervenção no trecho.

COMO OBRIGAR

O MP está no seu papel de cobrar. Mas como exigir de uma prefeitura que vive praticamente do repasse do FPM e das emendas parlamentares, que recupere os ramais? A Socorro Neri está no cargo, mas não tem varinha mágica. O certo seria buscar uma parceria com o governo.

ATÉ QUE ENFIM

Não é brincadeira. As obras do HUERB se arrastam desde o governo Binho Marques. Não deram explicação pelo abandono. Agora em junho, por determinação do governador Gladson Cameli, ao secretário da Infraestrutura, Thiago Caetano, as obras terão que estar concluídas.

BATATA QUENTE NAS MÃOS

A outra batata quente o Gladson Cameli jogou nas mãos do secretário de Saúde, Alysson Bestene: quer o HUERB funcionando em toda plenitude logo após a conclusão das obras.

CONTINUA NAS REDES

Na entrevista exclusiva que fiz com Linda Cameli, mãe do governador Gladson Cameli, ela garantiu que mesmo tendo recebido pedidos do esposo e filhos para ficar ausente das redes sociais, vai continuar na ativa fazendo suas postagens. E não mexam com o filho que tem resposta.

UM PÉ FORA DA CADEIA

Com a diminuição de uma das penas cumpridas pelo presidente Lula, até o fim do ano ele terá condições de cumprir a pena no regime semi-aberto, quando poderá trabalhar fora, mas voltar para dormir na prisão. A questão é que tem novos processos na bica aguardando sentenças.

DIREITO É DIREITO

Não votei no Lula. Mas se enquadrar-se em todos os requisitos para cumprir um regime semi- aberto, não vejo como nenhum afrouxamento da lei, pois, estará se cumprindo norma jurídica.

BLOCOS MONTADOS

A base do governo terá na manhã de hoje mais uma reunião para afinar a sua ação na Assembléia Legislativa. Na ocasião, serão anunciados dois novos blocos partidários, o PROGRESSISISTAS com o PR, e o outro formado pelo PDT-PSB-PTB. Com isso a base governista se tornará mais forte ainda. O deputado Luiz Tchê (PDT) disse que prevalecerá a maioria nas votações da ALEAC. Até aqui tinha havido uma inversão: a oposição dava o tom do plenário.

GRANDE SURPRESA

Está configurada a presença do PSB, com o deputado Manoel Moraes, na base governista na Assembléia Legislativa. O PSB, inclusive, fará um bloco com o PDT e o PTB. Não se sabe como ficará neste contexto a prefeita Socorro Neri, que é do PSB. Vira para a base do governo?

CAPOU O GATO

Traduzindo para o popular o fato do ex-senador Jorge Viana deixar o Acre e fixar residência em Brasília: o JV capou o gato, sumiu na buraqueira. Voltará na eleição de 2022 de candidato.

NÃO PODERÁ MAIS CRITICAR

O Jorge Viana não poderá mais criticar o Márcio Bittar, que toda vez que perde a eleição some do Acre e só aparece a poucos meses antes da eleição. Ainda bem que o Bittar elegeu-se senador, se não o Acre só iria vê-lo em 2022.

FICA NO CARGO

O deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS) voltou ontem à tribuna como líder do governo.

AFINADO COM O FUTURO

O anteprojeto de lei do deputado Daniel Zen (PT) que fixa a isenção de ICMS para quem investir em energia renovável está afinado com o futuro. Com as novas regras do setor mesmo as empresas poderão ser beneficiadas. A proposta deveria ser analisada com carinho pelo governo. São proposições como essa que quebram o marasmo da ALEAC em elaborar pizzas.

ODOR IMPREGNADO

E falando em pizzas, há um odor impregnado da massa italiana, vai da mussarela aos quatro queijos.

UMA PERGUNTA QUE CABE

A que serve mesmo se manter aquele elefante branco da ZPE às custas do Estado? Não pode se transformar em mais um cabide de emprego no governo, teria que acabar, é um mostrengo. Acaba logo com isso, Cameli! Não foi promessa de campanha? Por qual razão não cumprir?

APENAS NO NOME

Pelo que disse ontem a deputada Antonia Sales (MDB) a Maternidade e o setor destinado a cuidar das crianças não funcionam em Cruzeiro do Sul. Estão apenas nos nomes. Faltam médicos, atendentes, e as mulheres e crianças ficam jogadas à própria sorte. Voz do MDB.

SONHO DE CONSUMO

O grande sonho de consumo do PSB continua a ser o professor Minoru Kinpara como candidato a prefeito de Rio Branco na eleição do próximo ano. Os tucanos dão como boas as possibilidade de uma filiação. Teria um partido forte, com deputado federal, estadual, e estrutura de campanha. Não é descartável que isso venha a acontecer. Co m a palavra, o noivo. Um dos mais entusiasmados com a hipótese é o vice-governador Major Rocha.

MANTENDO O COMANDO

O senador Sérgio Petecão (PSD) vai continuar como coordenador da bancada federal do Acre em Brasília. A sua recondução ao cargo se deu por unanimidade dos votos dos senadores e deputados federais.

ZONA DE GUERRA

Não seria demais se fosse colocada uma placa na entrada do bairro Calafate com os dizeres: “Você está entrando numa zona de guerra”. Mais um bairro outrora pacto dominado pelos bandidos, que tocam o terror na região. Execuções na região do Calafate são algo normal.

NA MIRA DA FERNANDA

Encontrei ontem com o Lira, uma figura política da oposição ao PT de muitos anos. Perguntei como é que avaliava a situação da eleição á prefeitura de Brasiléia, no próximo ano. “Todos olhando para o umbigo, a Fernanda Hassem (PT), vai acabar sendo reeleita”, previu desolado.

VELHOS LUTADORES

Desde o governo passado que a EMATER deixou de ter o seu reconhecimento, como importante na transmissão de informações técnicas ao homem do campo. Ontem, estavam todos na ALEAC brigando pelo fortalecimento da empresa. Uma reivindicação justa. No governo passado ficavam meses sem ver a cor do salário.

DANDO A VOLTA POR CIMA

É o que sempre falo: um prefeito, um governador só será julgado pelo povo nos dois últimos anos de mandato, quando já terá tido tempo de executar os seus projetos. Por exemplo, o prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, começou em baixa e deu a volta por cima. Acaba de adquirir mais 30 toneladas de asfalto para a pavimentação de ruas. E com tecnologia duradoura.

CAUTELA ACIMA DE TUDO

As chamadas “comitivas”, que estavam suspensas, por serem pólos de pancadaria e muita violência na abertura da EXPOACRE, voltarão este ano. Não sei se é uma boa idéia! A secretária de Turismo, Eliane Sinhasique, tem que trabalhar um forte projeto de segurança para a barbárie não se repetir.

SECRETARIA VIRADA

A Eliane Sinhasique, tem de se reconhecer, é uma integrante da equipe de primeiro escalão do governo Gladson Cameli que mais cava pautas positivas para administração. É virada!

BRASÍLIA, O PARAÍSO DOS POLÍTICOS DERROTADOS

O primeiro a grafar uma frase entusiasta dizendo que o Acre é o melhor lugar para se morar no Brasil foi ex-governador Binho Marques (PT). Mas demonstrou sofrer de amnésia. Foi terminar o seu governo que pegou as trouxas e foi morar numa mansão na capital federal, onde curte as suas delícias até hoje. Fez uma propaganda enganosa e escapou incólume do PROCON. O outro trocar o Acre pelas delícias da capital federal e sua agitada vida noturna foi o ex-senador derrotado Anibal Diniz (PT). Nunca cuspa para cima, porque uma dessas cusparadas pode lhe cair à cabeça. O ex-senador Jorge Viana foi um crítico contumaz dos adversários que moravam fora do Estado. Casa de ferreiro, espeto d e pau. Foi flagrado pelo jornalista Astério Moreira esta semana, levando todas as suas tralhas, nem as suas panelas goumert escaparam da mudança, e foi fixar residência na política e glamorosa Brasília. E temos ainda o ex-senador Nabor Junior (MDB), que depois que foi derrotado só veio ao Acre nos últimos vinte anos em ocasiões raras, numa demora máxima de dois dias. Nabor vive curtindo o seu exílio político voluntário numa das mais belas mansões do Lago Sul de Brasília. Moral da história: o melhor lugar para político derrotado morar e na chamada Belacap. Detalhe: Nabor Junior, Jorge Viana, Binho Marques, ganhando uma pensão de ex-governadores de quase 30 mil reais. E o Anibal, dormitando num cargo federal nababesco que não lhe rende menos de 20 mil reais. E viva a mordomia brasiliense. E viva o besta do eleitor acreano!