Justiça aceita denúncia contra recruta do Exército suspeito de estuprar jovem

Suspeito está preso no 7º BEC desde o último dia 18. Ele foi denunciado pelo Ministério Público por estupro e porte ilegal de arma de fogo.

A juíza Luana Campos, da 5ª Vara Criminal de Rio Branco, aceitou denúncia contra um recruta de 22 anos por estupro e porte ilegal de arma de fogo. A informação foi confirmada, nesta terça-feira (23), pelo advogado dele, Romano Gouvea.

O recruta foi preso no último dia 18 de março em casa, na BR-364, em Rio Branco, suspeito de estuprar uma jovem. Na época, a Polícia Civil informou que também pesa contra ele outra tentativa de estupro e até uma tentativa de sequestro.

Conforme o advogado, o Ministério Público protocolou a denúncia contra seu cliente no dia 8 de abril e no dia 12 de abril, a Justiça aceitou.

“A partir desse momento, virou uma ação penal e a juíza me intimou para apresentar a defesa preliminar, que já foi entregue. Agora aguardamos a audiência ser marcada”, disse.

O homem está preso no 7º Batalhão de Engenharia de Construção 7º (BEC). A defesa diz que o recruta nega que tenha estuprado a jovem.

Além disso, sobre o crime de porte de arma de fogo, o advogado afirma que o certo seria posse ilegal de arma, já que o armamento apreendido estava na casa do recruta no momento da prisão e ele não estaria usando.

“O réu nos conta que a relação foi consentida, quer dizer, não houve grave violência ou ameaça. Apesar de ser militar, ele não anda armado. Ele tem uma arma na casa dele, porque mora em um bairro dominado por facção criminosa, onde o pai tem um comércio que necessita de uma arma para se salvaguardar. A denúncia diz que é porte e a defesa diz posse, porque a arma estava na casa dele”, afirmou Gouvea.

Na época da prisão, o Exército disse que o soldado havia sido incorporado há pouco tempo no 7º BEC e destacou que “não coaduna com atos desta natureza, que ferem os princípios e valores mais caros sustentados pelos integrantes da Força”.

Um processo administrativo aberto na época continua em andamento, segundo o batalhão.

Denúncia

O estupro foi registrado na Delegacia da Segunda Regional, no Cidade do Povo, no dia 18 de março. De acordo com a Polícia Civil, a vítima conseguiu fazer a descrição do veículo e parte da placa, o que facilitou a identificação do suspeito.

A delegada Juliana de Angelis, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), afirmou, na época, que após diligência junto com a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), o recruta foi localizado na residência dele. No local foi encontrado o veículo usado no crime e uma arma de fogo.

Conforme a polícia, o suspeito usava a arma para coagir as vítimas e obrigá-las a entrar no carro. Um inquérito corre na Depca para apurar também a tentativa de sequestro.

Do g1 Acre