Base do governo prepara CPI da Anac, Depasa e Ruas do Povo

O que dá para rir, também, dá para chorar. Alegria de minoria no parlamento costuma ter duração fugaz.

Com o vice-governador Major Rocha agora envolvido diretamente na parte política, uma reunião está marcada para o início da próxima semana, que pode ser na segunda ou terça-feira, com a bancada governista para afinar ainda mais os discursos na defesa do governo Gladson Cameli e colocar os deputados de oposição e os rebelados no quadrado dos deputados minoritários. Estará em discussão a apresentação de CPIs para investigar o DEPASA, ANAC (Peixes da Amazônia, ZPE, Fábrica de Tacos, Fábrica de Camisinhas) e o HUERB. O vice- governador Major Rocha diz que, a partir de agora, o jogo será duro: “quem for da base do governo será tratado como base pelo governo. Quem for oposição ou integrar o grupo dos chamados “independentes, será tratado como adversário. Ou você é governo, ou não é governo. A base tem de estar coesa. E, eu farei de tudo para isso vir a acontecer”, prometeu. Todos os ex-gestores dos órgãos que serão alvos de CPIs que os governistas pretendem criar, serão chamados a depor, estejam ou não ocupando mandatos parlamentares. “Temos de passar tudo a limpo, sempre fui a favor de CPI”, diz Rocha. Prenúncio de bons debates na ALEAC.

O JOGO ERA BRUTO

O vice-governador Major Rocha diz que, ao contrário do PT, sempre foi a favor da instalação de CPI, do debate. Lembra que no governo passado, todo projeto seu era vetado, e para ser aprovado tinha que colocar no nome de um deputado da FPA. Erra assim que funcionava, diz.

NÃO PASSAVA NADA

Nenhum projeto que tinha a minha assinatura, por mais que fosse beneficiar a população, o governo do PT não deixava passar, lembra o vice-governador Major Rocha. Tudo era derrubado, relembra a sua passagem pela Assembléia Legislativa

MAIORIA É PARA SER USADA

Sobre a “CPI da ENERGISA”, o vice Major Rocha diz não ser contrário que venha ser realizada, Mas lembra que na composição deve ser seguido o critério da proporcionalidade das bancadas e a maioria pode indicar o Presidente e o Relator da CPI, porque assim funciona no parlamento.

ROBERTO DUARTE FORA

A coluna tem informação de um deputado da base do governo que participou do café da manhã da última segunda-feira, que um ponto foi levantado e acatado por unanimidade: não aceitarão o deputado Roberto Duarte (MDB) participando. Seu isolamento começará pela derrubada de seus requerimentos e projetos que tramitarem na ALEAC. “O Roberto será tratado como um deputado de oposição”, disse á coluna o parlamentar governista.

DOIS TRATORES

O certo é que o barco da oposição vai passar a navegar em mar revolto e não mais em águas plácidas. O vice-governador Major Rocha é um trator com os adversários; e, com o deputado Luiz Tchê (PDT), preparado, bom de debate, corajoso, o a oposição perderá seu protagonismo.

INVERSÃO DE VALORES

O vice Major Rocha e o deputado Tchê (PDT) têm razão de que estava tendo uma inversão de forças na ALEAC com uma oposição dando o rumo dos debates no parlamento. Acompanhei governador na ALEAC desde o Wanderley Dantas, e nunca vi minoria comandar a maioria.

BASICAMENTE O QUE QUERIAM

Ainda que em minoria os deputados da oposição ditaram até aqui, as normas na ALEAC, ante uma maioria calada, desorganizada e sem poder de reação. Mesmo inusitado, isso aconteceu.

ESTAVA SEM COMANDO

O que aconteceu também neste início de legislatura, foi o que a coluna vinha colocando sempre de que não havia uma cabeça de pulso forte que pudesse congregar os deputados da base, o que será suprido com a entrada do vice-governador e do chefe do gabinete civil, Ribamar Trindade, no centro dos debates. O governador Gladson Cameli deixou solto.

MINORU ESTÁ NA MIRA

O PSDB não desistiu de ter o professor Minoru Kinpara para ser o candidato do partido a prefeito de Rio Branco. A informação que tenho é de que os dirigentes tucanos vão insistir no convencimento para a sua filiação, porque o consideram como sendo o candidato ideal.

EXISTEM CAMINHOS E CAMINHOS

Se o deputado Roberto Duarte (MDB) quer cumprir o seu mandato sem buscar uma candidatura majoritária está com a postura certa de virar oposição ao governo. Mas, se quiser ser candidato à PMRB, não vejo como boa estratégia colar a imagem ao PT e PCdoB, na ALEAC. Por um motivo simples: ambos foram justamente os partidos que o eleitor varreu do poder.

COMO É QUE VAI CRITICAR?

Numa eleição para a PMRB, como é que, ele vai criticar as gestões do PT e PCdoB, aliança que estava na gestão do ex-prefeito Marcus Alexandre, de quem foi um adversário ferrenho, e que hoje são os seus aliados na Assembléia Legislativa? O PT e PCdoB estarão juntos numa aliança no próximo ano, com candidaturas próprias, ou apoiando a prefeita Socorro Neri. Será o jogo.

NÃO PASSAVA NADA

O endurecimento da base do governo depois desse novo formato em ajustes, não pode ser criticado pela oposição. Nos governos do Binho, do Jorge Viana e do Tião Viana a oposição não aprovava nada, tinham o domínio dos seus deputados em todas as votações que aconteciam.

GOVERNO É PARA GOVERNAR

As urnas é que decidem: quem ganha governa. E não estavam errados os governadores do PT quando usavam o poder em sua plenitude, impondo um rumo, o poder é para ser usado mesmo. “Aos vencedores, as batatas”, já dizia o velho ditado. Governo fraco é um fracasso.

OU FALA OU CALA

O deputado Fagner Calegário (PV) fez ontem, a acusação mais grave neste início de debate da “CPI DA ENERGISA”, ao jogar no ar a suspeição de que parlamentares estariam numa suposta lista de propina da empresa para amolecer. Ou fala os nomes ou a acusação cai no descrédito.

QUAIS SÃO OS PROPINEIROS?

Acusação de tamanha gravidade se faz com provas em mãos. Se não tem, não se deve fazer.

PELO MENOS METADE

A esperança dos que foram induzidos de que a “CPI da ENERGISA” vai baixar o preço da energia, que tem nos principais condutores os deputados Jenilson Lopes (PCdoB) e Evaldo Magalhães (PCdoB), é de que ao seu final, a próxima conta venha com valor pela metade.

A MÃO QUE AFAGA…..

Estamos na era das redes sociais. Assim como se tornou viral que a “CPI da ENERGISA” derrubará o valor da conta de luz, o povo não aceitará outro resultado, que não seja este. E não derrubando, como disse o poeta, “a mão que afaga, é a mesma que apedreja”.

CHAPA EM DISCUSSÃO

O ex-prefeito de Senador Guiomard, Celso Ribeiro, pode reaparecer na política, na eleição do próximo ano no município numa chapa majoritária, como vice da candidata à prefeita Branca Menezes (PSDB). As primeiras conversas com dirigentes tucanos, já foram entabuladas neste sentido.

PELÉ CAMPOS

O ex-vereador de Feijó, Pelé Campos, é o rei em levar rasteiras de aliados. Sempre prometem que será candidato a prefeito, mas antes da convenção mudam a prosa. Desta feita, parece que disputará mesmo a prefeitura de Feijó pelo PSDB, é o nome do vice-governador Major Rocha.

REVISTA DO ZEN

Bem elaborada a revista “Acre Que Queremos”, do deputado Daniel Zen (PT), com um resumo das principais ações do primeiro mandato na ALEAC. É uma prestação de contas dos últimos quatro anos. A publicação mostra de forma transparente ao povo sua produção parlamentar.

TEVE MAIS DIFÍCIL

O presidente do PT, Cesário Braga, continua com a lamúria depois da derrota do Fernando Haddad (PT) a presidente, vendo tempos negros em tudo que acontece no Brasil. Costuma lamentar em suas postagens que “Tá Difícil!”. Difícil, Cesário, foi suportar a atrapalhada Dilma.

APELO DE UM PAI

Postagem que me chegou. Como é uma cobrança política, publico: “governador, mande consertar as pontes e os porquinhos do Canal da Maternidade, começando pelo Palheiral e João Eduardo, onde levo meu filho Igor, 3 anos, para passear, e parece uma cidade devastada”.

RESERVADO Á BANDIDAGEM

Além da destruição como foi entregue o “Parque da Maternidade” ao novo governo, abandonado, estruturas quebradas, na escuridão, o logradouro virou parada de bandidos na parte noturna e se tornou um perigo se trafegar no espaço, com os constantes assaltos. O
governo não pode mais ficar olhando pelo retrovisor, não bastasse o esgoto do Canal a céu aberto, agora se soma a violência.

CORTE RASO NA GASTANÇA

Leio na entrevista do colega Astério Moreira, no ac24horas, de que, o chefe do gabinete civil Ribamar Trindade, reduziu em apenas 100 dias, as despesas do órgão, que foram de 2 milhões e 154 mil reais no governo passado, para 299 mil reais. Foi um corte raso na gastança.

FOI PRECISO LEVAR UMAS PAULADAS

Foi preciso o governador Gladson Cameli levar umas pauladas na Assembléia Legislativa para entender que sem uma afinação com os deputados que estavam na sua aliança não governa. O que vinha causando surpresa é que o Gladson veio do parlamento e sabe como é que as coisas funcionam. A entrada do vice-governador Major Rocha no processo político foi um saque inteligente do governo, porque é habilidoso na conversa com os aliados e muito duro, quando se trata de peitar os adversários. Com esta nova afinação, o Gladson poderá ter a paz de saber que os seus projetos que forem enviados para o Legislativo serão aprovados, por uma larga margem de votos. Faltava conversa. Agora, deliberou-se que, a cada 15 dias haverá uma reunião dos deputados da base com os que comandam o governo. A prosa será mudada na ALEAC.