O Acre era o único estado da Região Norte a ter um programa de transplante de órgãos. Era, porque o programa está parado há meses.

Trazido e incentivado pelo ex-governador Tião Viana, o programa deu novas oportunidades de vida há dezenas de acreanos e acreanas desde 2011 que sofriam a espera de órgão para seguir a vida normalmente.

Mesmo sem grandes recursos financeiros, o Acre se tornou o quinto estado brasileiro em número de transplantes realizados. O que não é pouco comparado a outros lugares do Brasil, era uma referência quando se tratava de transplante de órgãos.

Durante o mandando de Viana, o Acre fez mais de 300 transplantes, sendo 45 de fígado, 91 de rim e 210 de córnea. Também está habilitado a fazer transplante de pâncreas, mas até o momento não foi realizado.

Trazido e contratado pelo governo passado, tendo a sua empresa obtido um ótimo faturamento, o médico Tércio Gercini, está previsto para chegar ao Acre nesta quinta-feira, 4. Gercini vem para atender ambulatório e conversar com o governo sobre o reinício dos transplantes.

Espera-se que o programa seja retomado pelo atual Governo, pois há dezenas de pessoas na fila esperando por oportunidade de ter seu órgão trocado para que tenha novamente a oportunidade de ter uma vida plena, e que o Governador Gladson Cameli faça o possível para que os transplantes voltem a acontecer.