Privatização da extensão Rural pode Justifica o fim da Emater

Cheios de cabelos brancos e preocupação na cabeça. Essa é a imagem facilmente vista nos corredores da Emater.

A maioria desses servidores desconsiderou o trabalho dos últimos 20 para resgatar a assistência técnica rural e apostou na mudança personificada no detentor de um sobrenome que tentou extinguir a empresa no final da década de 1990.

Atualmente, o terror da extinção ou manutenção da empresa ronda o prédio da Estação Experimental.

Independente da opção política, a verdade é que falta respeito com os técnicos.

O pior é que toda essa indecisão pode ter como pano de fundo a privatização total da assistência técnica rural do Acre.

Por coincidência, o secretário Paulo Salvador Wadt tem uma empresa para este fito.

Lembro que Salvador Wadt foi importado pelo irmão Rocha. Informo, ainda, que não ganha dinheiro salvando. A sua especialidade é enterrar. É dono de um cemitério.