Passagem de transporte alternativo aumenta em mais de 30% em Cruzeiro do Sul

Motoristas alegam crise e, por isso, optaram pelo aumento. Há oito anos tarifa não era reajustada.

Com um sistema de transporte coletivo ainda fraco, os moradores de Cruzeiro do Sul usam mais transporte alternativo para locomoção na cidade. São as chamadas peruas e vans que fazem o percurso nas principais rotas do município.

Desde o dia 1º deste mês, a passagem dos clientes ficou até 33% mais cara. Alegando prejuízos na atividade, os motoristas decidiram cobrar RS 1 a mais pela passagem. Na zona urbana da cidade o valor subiu de R$ 3 para R$ 4. Já para as comunidades rurais, como a Vila Assis Brasil, a passagem que era RS 7 passou para RS 8, um aumento de 14%.

Os motoristas alegam que, com muito tempo sem aumentar o preço dos serviços, estava se tornando inviável a manutenção dos veículos e o sustento das famílias.

“Estávamos com uma perda muito grande, pois há 8 anos não reajustávamos a passagem. Chegou a um ponto que não estávamos mais conseguindo manter os carros. Então, definimos com a prefeitura e decidimos aumentar”, explica o motorista Jair Vieira.

O reajuste divide a opinião dos passageiros. A estudante Leiciene Almeida, de 16 anos, que depende do transporte alternativo todos os dias, reclama do aumento das despesas para frequentar a escola.

“Complicou para quem depende desse transporte. Se fossem só as despesas com a passagem, ainda bem, mas o problema é que para estudar temos muitos gastos e tudo está aumentando”, reclama Leciene.

No entanto, a empregada doméstica Rosângela Silva, de 46 anos, que mora em uma comunidade rural, disse prefere pagar mais caro na passagem das peruas do que encarar outros meios de transporte.

“Desde quando eles começaram a fazer a linha lá que não tinham aumentado, Então, é melhor do que pagar o pau-de-arara, que cobra R$ 9. Sem contar que as vans para nós são mais confortáveis”, afirma Rosângela.

Por Mazinho Rogério, G1