A lambança de Cameli na farda escolar. Governo recua na implementação de farda depois de enxurrada de críticas

Com a divulgação do slogan do governo na última segunda (28), parte daq logomarca já iniciou comprometido com a lambança da divulgação dos uniformes das escolas públicas que a Secretaria de Educação tinha pretensão de adotar este ano.

Como que teve uma série de críticas dos diretores do sistema, restou ao Secretário, Mauro Sérgio recuar e segundo ele discutir a ideia com a comunidade para o uso do fardamento em 2020.

Algumas considerações sobre o lançamento oficial da identidade visual do Estado: Em primeiro lugar, que não tivesse lançado o uniforme junto com o brasão e o slogan no mesmo dia. Deveria ter feito primeiro a consultar popular e conversado com os empresários que ficariam prejudicados com estoques do ano passado. Em segundo, não poderiam ter recuado por completo da revogação de um projeto proposto para este ano.

A estratégia mais sensata seria trocar o uniforme em todas as séries inciais e deixar livre para quem quisesse adquirir a farda de forma opcional este ano e combinar com as empresas um queima geral de ponta de estoque para beneficiar milhares de famílias.

A dinâmica dos pais é outra do que pensa os articuladores da mudança. Quando uma família compra uma blusa de farda numa série inicial qualquer, ela será útil até terminar seu ciclo e algumas vezes ainda passa para outros da família.

Ter uma visão de  futuro era ter planejado a importância da troca da farda e até mesmo fazer um concurso estadual para consolidar  a interação dos estudantes, pois são eles que irão usar.

E  convenhamos que a farda nem é o mais importante na discussão da educação acreana que patina na média nacional. O povo está ansioso é por resultados no sistema. Em todo caso, se tivessem evitado mais uma polêmica para o governo,  teriam poupado o restante do slogan – “um governo para todos.”