Assessorias especiais vão para o congelador

Não haverá mais a nomeação dos nomes considerados certos para assessores especiais do governo Gladson Cameli, pelo menos nos próximos meses.

Os dez cargos previstos na reforma administrativa serão colocados no congelador. O blog obteve a informação ontem por uma segura fonte palaciana e teve a sua confirmação pelo chefe do gabinete civil, Ribamar Trindade. Disse ele que, na verdade, os nomes ventilados na imprensa como assessores especiais já estavam direcionados para ocuparem outras funções no governo. Confirmou Osmir Lima, por exemplo, para a FUNTAC, e Jairo Carioca irá para um cargo na estrutura da Comunicação, quanto aos demais citados como possíveis “assessores”, Jairo Carvalho, Artur Liborino, Carlos Coelho e Carlitinho Cavalcante não serão nomeados nestes cargos. Ribamar destacou que ainda não recebeu orientação do governador para alocá-los. O blog foi buscar outras fontes políticas dentro do governo para saber o que estava de fato acontecendo com a medida. Um deputado próximo ao governador me informou que foi uma forma do Gladson Cameli se livrar de pressões políticas e de empresários querendo colocar parentes e por isso resolveu não ocupar mais os espaços no momento. “Eu também faria o mesmo”, completou.

COMUNICAÇÃO PESSOAL

Ontem, ao final da tarde, Osmir Lima, Jairo Carioca, Carlitinho Cavalcante e Artur Liborino foram comunicados pelo governador Gladson Cameli que não serão mais nomeados assessores especiais. As dez vagas ficam assim em aberto e sem promessas de ocupação.

TROCANDO ALHOS POR BUGALHOS

O Gladson Cameli, por alguns nomes sem expressão que lhe foram apresentados e outros citados, sem qualificação necessária para ser um assessor especial – salvo honrosas exceções – acho que está coberto de razão em não nomear nenhum dos nomes ventilados. Havia nome entre os que vinham sendo citados, que destoavam na qualificação.

MAL PARA SUA IMAGEM

Assessor especial implica em ter uma alta qualificação para dar orientação ao governador quando chamados a opinar numa área. Na relação que saiu tinham nomes qualificados, outros, nem tantos. E indicações outras, pior ainda. Ficaria mal para sua imagem repetir o antecessor.

MAIS PARA ACOMODAR AFILHADOS

As assessorias especiais no governo Tião Viana serviam para abrigar afilhados derrotados em campanhas políticas e alguns amigos do peito. Se o Gladson Cameli fosse pelo mesmo caminho abriria um flanco enorme para críticas, na base do se trocou o seis por meia dúzia. Agiu certo.

EXEMPLO A SER SEGUIDO

O chefe do gabinete civil, Ribamar Trindade, é um bom exemplo a ser seguido pelos colegas. Retorna ligações e responde questionamentos que estiverem ao seu alcance, feitos por jornalistas. Quando se liga é para pedir informação e não favores. Da minha parte é assim.

VARREDURA

Contratos, gratificações, benefícios, inclusive, a licença-prêmio concedida ao ex-governador Tião Viana, licitações e outros atos praticados pelo governo Tião Viana sofrerão uma varredura. A decisão de fazer uma peneira nestes atos foi tomada por Gladson Cameli.

“NÃO DEIXEI ME USAREM”

Foi a explicação do deputado Géhlen Diniz (PROGRESSISTA) ao blog sobre a retirada do seu nome da disputa da presidência da ALEAC. “A oposição estava toda compromissada com a outra candidatura (deputado Nicolau Junior), e não deixei me usarem”, destacou Diniz.

É UMA PERGUNTA

O secretário de Saúde, Alysson Bestene, anunciou que no PS voltarão a acontecer consultas. Nada contra que se busquem alternativas a um melhor atendimento. Uma pergunta: haverá médicos suficientes para consultar e para procedimentos cirúrgicos, sem afetar a qualidade?

PASTA MAIS DESAFIADORA

A Saúde é sem dúvida a pasta mais desafiadora a qualquer gestor, principalmente, no caso do secretário Alysson Bestene, que está recebendo um sistema sucateado e desorganizado. Por isso mesmo não há nem como fazer qualquer tipo de cobrança a um curto prazo ao Alysson.

NÃO ENTENDI BEM

Meio confusa a explicação do secretário de Segurança, Paulo César, sobre as medidas emergenciais para o combate à violência. Ações de cunho social dão resultados a um longo prazo. Precisamos de medidas para já, como policiamento mais ostensivo nos bairros.

BAIRROS DESCOBERTOS

Moradores do Morada do Sol e do Tropical, por exemplo, raramente têm a alegria de ver rondas de viaturas policiais e mesmo das motocicletas. Roubos, furtos são rotina. Espera-se que o secretário Paulo César leve de fato as ações policiais aos bairros e retorne a paz.

NAS MÃOS DO CAMELI

O deputado eleito Roberto Duarte (MDB) prometeu ontem encaminhar ainda hoje ao governador Gladson Cameli ofício com pedido para que reveja a concessão de licença-prêmio ao ex-governador Tião Viana, já que há carência de médico infectologista na rede hospitalar. Vai reforçar decisão já tomada neste sentido ontem à noite pelo governador.

PETISTAS DE DNA

Marcelo Macedo, que sairá da secretaria de Finanças e, Gabriel Forneck, que perderá a direção do RBtrans, são petistas de DNA, o que mostra que a Socorro Neri quer dar uma cara própria à sua administração, fazendo as suas nomeações e não continuando com o grupo do antecessor.

MUDANÇA RADICAL

A prefeita Socorro Neri tinha mesmo que buscar um caminho próprio nos próximos dois anos.

LIBERDADE DE IMPRENSA

O governador Gladson Cameli está ficando rouco de tanto bradar que defende a “liberdade de expressão” e espera-se que, os seus secretários não fiquem moucos ao que brada o homem.

NA TORCIDA PARA QUE DÊ CERTO

Perguntei ao amigo e ex-governador Romildo Magalhães, presente à solenidade de posse, sobre qual a sua expectativa para o governo Gladson Cameli. Foi curto: “tem que dar certo”.

FALHA DO CERIMONIAL

Foi uma falha do cerimonial não ter sido feito um convite especial à ex-governadora Iolanda Lima para a solenidade do termo de posse. Foi a primeira governadora do Acre e teve participação efetiva na campanha do Gladson Cameli. Um esquecimento, lastimável!

BANCADA ATUAL

Qualquer projeto que o governador Gladson Cameli mandar para a Assembléia Legislativa até o fim deste mês deverá ser votado pela atual legislatura, com mandatos válidos até a data.

GOSTINHO DO MANDATO

Marfisa Galvão (PSD) já está sentindo o gostinho do mandato de deputada federal, tendo assumido por um mês a vaga do ex-deputado federal Major Rocha, que renunciou para ser vice-governador. Marfisa perdeu a eleição por pequena margem de votos.

MOÇO DE COMPETÊNCIA

Marcelo Macedo deixará a secretaria municipal de Finanças, mas assumirá o comando da pasta da RBprevi. Depois de uma conversa com a prefeita Socorro Neri, aceitou o convite.

NINGUÉM É MAIS PRÓXIMO

Da bancada federal do Acre ninguém é mais próximo do círculo fechado do poder do presidente Jair Bolsonaro do que o deputado federal Alan Rick (DEM), até pelas pautas evangélicas a favor da vida que ambos defendem. Terá passe livre nos ministérios.

DESENVOLTO NO PODER

Durante a solenidade de pose o deputado federal Alan Rick (DEM) teve trânsito livre.

COITADO DO TED!

Quer dizer que o Ted Fogueteiro não fez a sua tradicional queima de fogos no bairro da Base, porque levou um calote dos homens que estavam no poder? Maldade! Coitado do Ted!

TEMPO HÁBIL

100 dias é um tempo hábil para qualquer gestor ser avaliado nas medidas que tomar no período. Quem não mostrar ação, criatividade, é porque vai capinar sentado no cargo.

NÃO PODE SE ESCONDER

A senadora Mailza Gomes (PSD), pelo fato de assumir o cargo por ser a suplente do ex-titular Gladson Cameli, nem por isso tem de fazer um mandato opaco. Terá que dar visibilidade às suas ações, muito além do que destinar emendas parlamentares ao governo e prefeituras.

VAI PARA O VOTO

Dificilmente, a escolha do primeiro secretário da mesa diretora da ALEAC não será pelo voto. É improvável um acordo entre os candidatos Roberto Duarte (MDB) e Luiz Gonzaga (PSDB).

NÃO SE CONFORMAM

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) ganhou a eleição de capote do PT e de maneira democrática. O PT não acordou que o Lula já era, e o partido foi detonado do poder? Insistem em não descer do palanque, como se este tipo de atitude fosse mudar o curso da derrota na última disputa.

O TROCO DO VELHO LOBO

O ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales, e o prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, chegaram a declarar a este blog que a secretária de Turismo e a secretária de Administração, Eliane Sinhasique e Maria Alice, respectivamente, não eram da cota do MDB. O velho lobo Flaviano Melo deixou a poeira sentar e vem agora dizer que são sim da cota do MDB e representam o partido. Vou dar o meu pitaco: se são da cota do MDB, não sei, mas que são da cozinha do deputado federal Flaviano Melo, isso são com a mais absoluta certeza. O problema do MDB é que não há um comando único, centralizado, mas espécies de senhores feudais em seus nichos. E por isso, que acontecem estes tipos de desentendimentos.