Adolescente morre após ser baleado por policial no Acre e PM diz que jovem tentava assaltar

Pai afirma que filho estava indo ao shopping quando foi baleado por policiais disfarçados. Família diz que adolescente não tinha envolvimento com o crime.

Paulo Henrique Matos Vitorino, de 16 anos, morreu após ser baleado por um policial durante uma tentativa de assalto. O caso ocorreu na noite de quarta-feira (2), na quadra 25, no Loteamento Bom Sucesso, em Rio Branco.

Conforme informações da Polícia Militar (PM-AC), quatro homens em um carro abordaram o policial e anunciaram o assalto.

O adolescente estaria no grupo e armado. O militar então reagiu e atingiu o Vitorino que ainda tentou correr, mas acabou morrendo no local. Os outros ocupantes do veículo fugiram.

O pai do adolescente, que não quis se identificar, relatou que o filho estava indo para o shopping e que tinha dado a ele R$ 100 para que fizesse compras no local. Vitorino era o caçula de três irmãos.

“Não sei porque ele voltou em casa correndo, acho que esqueceu alguma coisa. Moramos no Cabreúva, ali perto. O que sei é que os R$ 100 ainda estava no bolso dele e que dois policiais disfarçados em uma moto atiraram nas costas do meu filho”, afirma.

O pai nega que o filho seja assaltante e afirma que o adolescente trabalhava com ele em uma mercearia no bairro onde moravam.

“Meu filho não era assaltante, ele era um jovem trabalhador. Nós pretendemos ir na corregedoria. Nesse momento ainda estamos muito abalados, não sei direito ainda quando vamos fazer isso, mas, com certeza, vamos procurar a justiça, pois meu filho foi baleado pelas costas”, relata.

Conforme a PM-AC, o major Samir Freitas, comandante do 3° Batalhão que atua na área, relatou que esteve no local e que não havia marcas de perfurações nas costas do adolescente, mas no abdômen.

Além disso, um revólver calibre 38 e trouxinhas de droga foram achadas no local e provavelmente estariam com o adolescente, segundo a PM. Em relação à denúncia no Corregedoria, o órgão informou que é um direito da família e que deve se pronunciar sobre o processo apenas quando for registrado pelos familiares.

Investigação

O delegado Cristiano Bastos, que investiga o caso na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que o policial foi abordado, reagiu e atingiu o menor durante no abdômen. O militar se apresentou na delegacia nesta quinta (3) e também entregou a arma usada na ação que foi encaminhada para a perícia.

“São duas situações. Então, a Delegacia de Combate a Roubos e Extorsões (Decore) vai dar continuidade ao crime de roubo tentado para tentar identificar as outras pessoas que estavam no local onde o menor foi morto. A DHPP vai apurar em que circunstâncias se deu a morte desse adolescente e fazer a apuração para concluir o inquérito e encaminhar para a justiça”, explica.

Por Quésia Melo, G1