Joaquim Lira já fez visita no novo Hospital de Brasileia. Vou escolher a onde vou trabalhar

Joaquim Lira foi Secretário de Agricultura na administração de Everaldo Gomes assumiu a pasta no lugar de Clécio Gadelha que também foi Secretário de Obras.

Lira andou em todas as repartições do Hospital Regional do Alto Acre Wilde Viana como também no Detran, Seaprof, Seap e outros órgãos Lira está escolhendo em qual setor ele vai trabalhar.

O tacaca do Fábio

Quem não perdeu tempo foi Fabiola que depois da eleição continuou com seu tacaca vendendo para a oposição e para a Situação.

Suco de Açúcar

Quem anda tomando Garapa de açúcar e o Adelson que não sabe nem por onde começar para entregar a chaves da Seaprof para o ex-prefeito André Hassem.

O Leão na Seap

Em conversa com Emerson Leão o mesmo diz que provavelmente vai assumir a Seap e mostrar como se trabalha.

Não tem cargos

São 36 cargos do Governo no Alto Acre agora com a diminuição das Secretarias devem ficar uns 20, onde vão colocar os guerreiros do MDB, PSDB, PPS, PSD, PP E SOLIDARIEDADE.

Momento de Braga

Cesário Braga, em que pese posições pouco conciliadoras, é um petista de DNA. Merece o cargo. Assume o partido no seu momento mais delicado, depois de 20 anos no governo.

Géhlen Diniz

O mesmo diapasão acontece na disputa da presidência da ALEAC. O deputado Géhlen Diniz (PROGRESSISTA) tem resistido a todas as pressões para retirar a sua candidatura. O outro candidato é o deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTA), nome preferido do grupo do governo.

Primeiro Planejamentos

Já estão acontecendo os primeiros planejamentos dentro do PT para montar o grupo que vai atuar com cobranças e críticas ao futuro governo, nas redes sociais. Não espere que o PT vá ficar apanhando, mesmo porque, passará de vidraça a ser baladeira. Esperem oposição dura.

Segurança sem violência

A nova equipe da Segurança tem que resolver urgente um problema que aconteceu ao longo deste ano sem providências: assaltos às unidades de saúde, agressão a servidores, e violência nas escolas. Como é que um professor e profissionais da saúde podem trabalhar tranquilos?

Bolsonaro é eleito “imbecil do ano” pela mídia espanhola

E o Brasil não para de passar vergonha. O DCM mostrou que duas revistas espanholas, El Jueves e The Mongolia, colocaram o nosso novo presidente entre os maiores imbecis de 2018.

A Vida De Michelle Bolsonaro antes e Depois De Jair

A primeira-dama não é considerada integrante da administração federal e nem recebe salário. Mas ela costuma ter um papel importante para a sociedade. Tradicionalmente, ela lidera ou participa de campanhas de caridade. No momento, quem ocupa a posição no Brasil é Marcela Temer, casada com o presidente Michel Temer. Porém, o posto será ocupado por Michelle Bolsonaro no próximo ano. E você sabe quem é a esposa do candidato que comandará o nosso país de 2018? Separamos algumas curiosidades sobre Michelle Bolsonaro super interessantes que você vai querer saber.

O novo presidente do México esnoba Bolsonaro e não virá à posse

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, não irá à cerimônia de posse de Jair Bolsonaro como presidente do Brasil. Segundo a Secretaria de Relações Exteriores, o governo mexicano será representado pelo secretário de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Victor Manuel Villalovos Arámbula. O comunicado do ministério diz que López Obrador “tem a disposição, vontade e compromisso para trabalhar em conjunto para fortalecer a relação e cooperação de ambos os países para o desenvolvimento e bem-estar da região”. O presidente, de centro-esquerda, deseja sucesso ao presidente eleito do Brasil em seu próximo mandato.

Trabalho escravo no Brasil

O preço da cabeça do Temer tem sido tão cara para o Brasil, que cedeu recentemente ao lobby dos parlamentares ruralistas de retroceder nas leis que garantiam o resgate de trabalhadores em condições subhumanas nas propriedades de grandes fazendeiros. Se dependesse do atual governo, até a Lei Áurea seria revogada pra comprar parlamentar. Ainda bem que há movimento contra do Ministério Público (MP) e Ministério Público do Trabalho (MPT).

A controvérsia

Muitos falam do tamanho e do peso da máquina dos Estados que governadores passados teriam encharcado de cargos comissionados gerando despesas. Porém, os Estados eram do tamanho de suas economias. A recessão econômica, a queda do PIB gerou a nova realidade que precisa ser corrigida. É como uma família que era rica e ficou pobre. Comia filé e agora rói o osso. Se a economia voltar a crescer, volta o empreguismo novamente. O resto e discurso político.

Sem luz no fim do túnel

O Acre é dependente da União, principalmente com a crise econômica iniciada em 2014. O Fundo de Participação dos Estados (FPE), que garante o repasse para os poderes, mais MPE e TCE vem despenando como banana madura do cacho. O Acre está entre o grupo seleto de Estados que não atrasou salários dos servidores. As previsões não são boas para o funcionalismo público.

A ponte para o futuro

Se tem um culpado do país não ter saído da crise econômica é o presidente Michel Temer (MDB) que articulou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) com a promessa da fazer uma ponte para o futuro. Nem ponte, nem rio, nem nada!

Por que poupá-lo

Michel Temer está há cerca de dois anos no poder. Por que poupá-lo de críticas se ele prometeu tirar o Brasil do buraco se fosse o presidente? Lula e Dilma Rousseff, na atual conjuntura, já são passado, passado.

Vácuo de poder

Gladson Cameli afirmou que não será candidato à reeleição. Se confirmar a decisão cria um vácuo de poder. Precisará de um candidato para sucedê-lo, já que tentaria retornar ao Senado. O senador eleito Márcio Bittar (MDB) conhece esse jogo. Petecão (PSD) e Rocha (PSDB), também!

Plantão 3 de Julho Notícias 21ª Edição

Áudio entre Prefeito Zum e um cidadão mostra possível desvio de verbas das contas da Prefeitura para pagar dívida de campanha.

Entenda o caso

Segundo foi apurado pela redação do site 3 de Julho Notícias, tudo começou quando o Candidato a Prefeito do PSDB foi eleito e não pagou os cabos eleitorais, revoltados com o possível calote os cabos eleitorais decidiram fazer um manifesto no dia da posse de Zum, mas antes que o manifesto acontecesse, Zum pegou emprestado aproximadamente R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) para pagar os cabos eleitorais.