Polícia Civil abre processo disciplinar administrativo para investigar conduta de delegados

A corregedoria explicou que a investigação é aberta após o início do processo criminal.

Quatro delegados da Polícia Civil do Acre são alvos de um processo disciplinar administrativo. As portarias da abertura dos processos foram divulgadas no Diário Oficial do Acre (DOE), desta sexta-feira (28). A publicação, que não cita o nome dos delegados, diz que eles estão sendo investigados por supostas irregularidades praticadas durante ocorrências.

O corregedor, Alex Cavalcante, explicou que o processo administrativo é aberto após o início do processo criminal. Ele ressaltou que ainda não é possível dizer se os servidores são culpados ou inocentes.

“Isso ainda não é punição. Quando tem uma investigação que tramita no âmbito criminal, ao final dela é aberto um processo administrativo. Mas, esse processo ainda se volta a apurar a conduta do servidor. Não tem como dizer que o servidor incorreu na falta, vai ser apurado”, destacou.

Conforme a Polícia Civil, um dos delegados foi denunciado pelo Ministério Público do Acre na 4ª Vara da Comarca de Rio Branco. Segundo as investigações, o delegado teria ordenado de forma indevida a investigação sobre o paradeiro de um caminhão roubado.

Outro delegado é investigado por sair nos horários dos plantões para ministrar aulas na rede pública estadual. A publicação ressalta que o delegado teria causado prejuízo para o Poder Público, uma vez aproveitou da vantagem para ocupar dois cargos públicos.

Em outra denúncia, foi aberto um processo administrativo contra um dos delegados sobre uma ocorrência no interior do Acre. A polícia foi apurar uma situação envolvendo o cano de um ar-condicionado em uma propriedade, mas o caso acabou com o delegado atingido com um saco e o suposto agressor internado em um hospital de Rio Branco.

Conforme a Corregedoria, o processo vai apurar a denúncia de tortura feita contra o delegado e dois policiais civis. O laudo pericial apontou que a vítima correu risco de vida e sofreu diversas lesões graves pelo corpo após ser torturada.

O quarto delegado é investigado por omissão. O caso teria ocorrido, em uma delegacia também no interior, quando uma menor procurou a polícia para fazer denúncias. Segundo as investigações, o delegado foi omisso e não tomou as providências necessárias para o caso.

Do G1 Acre