Deda afirmou que a sua esposa, Maria Antônia, já se colocou à disposição da Prefeita de Brasiléia

Justiça Eleitoral trabalha contra o tempo para punir crimes de corrupção na eleição. “Ele revela o profundo e o escondido, conhece o que está em trevas e com ele mora a luz”. (Daniel, o profeta no governo da Babilônia)

Gladson Cameli não foi diplomado, muito menos empossado. Portanto, não tem poderes para nomear sua futura equipe. Ainda é senador. Entretanto, algumas pessoas que o apoiaram e, merecidamente, merecem fazer parte de sua equipe em escalões inferiores, travam uma verdadeira guerra nas redes sociais sem o menor sentido. Sentimentos nada nobres afloram revelando um desespero totalmente desnecessário e sem escrúpulos. É preciso esperar o Gladson assumir, os secretários serem empossado e a reforma política acontecer. Depois, a cobrança! Como diz um velho ditado seringueiro: “devagar com o pote que ele é e barro”.

“Os tempos mudaram”

Ao colega Evandro Cordeiro o ex-presidente do TRE, o desembargador Pedro Ranzi, afirmou o que venho repetindo há muito tempo: “Os tempos mudaram”. Alguns políticos, vereadores, prefeitos e deputados não se deram conta disso.

Correndo contra o tempo

A Justiça Eleitoral corre contra o tempo para impedir a diplomação (marcada para o dia 19) de parlamentares eleitos envolvidos em falcatruas e crimes eleitorais. Durante o mensalão e, agora, na Lava Jato, virou mantra políticos corruptos afirmarem que tiveram suas contas aprovadas nos tribunais eleitorais em todo o pais e no TSE. É a volta do cipó de aroeira!

Surreal

A Assembleia Legislativa ontem lembrava o filme Titanic depois de bater no iceberg. Enquanto a PF entrava no prédio atrás de provas para a “Operação Santinhos”, a deputada doutora Juliana sendo levada de sua casa, os parlamentares reunidos em uma sala muito nervosos (o que é natural), o coral da instituição cantarolava angelicalmente músicas natalinas no salão nobre da Casa do Povo. Para completar o quadro só faltou: Mais perto quero estar/ meu Deus de ti…e um violino.

Confabulando…

O prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim (MDB), o mais bem avaliado por todas as pesquisas feitas até agora, estava na Assembleia Legislativa ontem. Conversava com o deputado Chagas Romão, um dos principais apoiadores da candidatura de sua mulher a deputada estadual, Meire Serafim. Ela obteve 10.349 votos.

Mostrou prestígio

Na última eleição Mazinho Serafim mostrou muito prestígio ao eleger a mulher, mas também, ao transferir votos para todos os seus candidatos.

Um político de palavra

O ex-deputado Chico Viga conseguiu se reeleger mais uma vez. Nunca usou a tribuna para nada em vários anos de mandato, não é de seu feitio. Porém, nunca deixou de atender o povo como fazia seu sogro, o falecido Olavo da Farmácia. Entre os deputados de legislaturas passadas Chico é conhecido como um político de palavra.

Prefeita Fernanda Hassem

Em conversa com o ex-prefeito Deda ele afirmou que a sua mulher, deputada Maria Antônia (PROS), já se colocou à disposição da prefeita de Brasiléia, Fernanda Hassem (PT), para representar o município na Assembleia Legislativa. O objetivo, segundo Deda, é continuar a boa parceria.

Alerta vermelho

Estamos a menos de dois anos das eleições municipais. A Operação Santinhos deverá ser bastante didática para vereadores e prefeitos que pretendem a reeleição. A Justiça e a Polícia Federal estão ensinando os políticos a mudarem procedimentos viciados de um sistema político-eleitoral apodrecido.

Celebre frase

Há cerca de quatro ou cinco anos o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) disse: “Se o Congresso Nacional não fizer uma boa reforma política a Polícia Federal vai fazer”. Pois é, está fazendo,

O povo apoia

A população apoia integralmente as operações de combate à corrupção feitas pela Polícia Federal em todas as esferas de poder. Só quem não gosta é quem está cometendo crimes. Quanto custa fazer a coisa certa? É mais barato e lucrativo agir corretamente.

Preparando a gestão

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, prepara a gestão para enfrentar a reeleição sabendo que está cada vez mais difícil ouso da máquina pública. Terá um adversário muito perigoso pela frente: o ex-prefeito Vagner Sales (MDB).

Sob pressão

Conversava com um deputado estadual, ontem, ele dizia que muitas pessoas estão vendo as ações da PF contra a corrupção, mas insistem em pedir ajuda de forma ilegal. A pressão do eleitorado para que se cometa crime é grande. Disse a ele: _ Chama a PF!

Dinheiro cru

Ele comentava, por exemplo, como um prefeito ou gestor público pode pagar alguém em dinheiro vivo como os patrões faziam no tempo dos barracões, quando ainda haviam seringais. Sei lá!

Vem a galope

A equipe econômica do futuro presidente Bolsonaro, liderada pelo economista Paulo Guedes, trabalha com a única variável que pode tapar o rombo das contas públicas, ou seja, o aumento de impostos. Prepara o bolso (naro).

Se a moda pega…

A coluna recebeu um vídeo de uns rapazes dando uma surra em outro por estar roubando na Cidade do Povo. Não o mataram foi apenas uma senhora surra de lambri. Por lá, agora, é proibido roubar.

Colegas jornalistas se diziam tristes com a prisão da deputada doutora Juliana (PRB), sempre muito solícita com a imprensa.

Entretanto, reconhece (e apoiam) as ações das instituições no combate a corrupção.

O Ministério Público Eleitoral trabalha contra o tempo para impedir a diplomação de parlamentares eleitos envolvidos em crimes eleitorais.

Houve um derrame de dinheiro na compra de votos.

Vereadores e prefeitos ganharam pequenas fortunas de candidatos nessas eleições que, não sabem, mas são investigados.

A fonte é boa!

O TRE recebeu mais de 300 denúncias de corrupção eleitoral.

Aprovar a reforma da previdência será o primeiro teste do futuro governo Jair Bolsoanro.

A propósito, nenhum governante pode ser legitimado por uma religião.

Para quem não sabe, as monarquias absolutistas do mundo acabaram.

As que existem são como contos de fadas como a inglesa.