Coluna do Crica

Com a palavra, Bety Cameli

A ex-primeira dama do governo Orleir Cameli, Bety Cameli (foto), deve definir nos próximos dias se aceitará o convite do candidato ao Senado, senador Sérgio Petecão (PSD) para ser a primeira suplente da sua chapa. Petecão justifica o convite como sendo uma forma de reconhecimento pelo que foi feito no Acre pelo ex-governador Orleir e pelo fato de ser dona Bety uma figura da mais alta respeitabilidade dentro de Cruzeiro do Sul. É reconhecido até entre os adversários da oposição que, caso venha a ser dado o sim a campanha do Petecão, no Juruá, pegará muito mais vento político. Só vai pensar em outro nome para a primeira suplência se vier uma negativa. A vaga ficará aberta até o próximo dia 6. Até lá, expectativa.

CORTES CERTOS

Uma fonte confiável do governo confirmou que está em final de gestação um grande corte nos gastos de cargos e que poderá incluir no pacote a poda no número de funções gratificadas.

RUIM POLITICAMENTE

O problema do governo é de falta de caixa. Mas qualquer corte salarial em pessoal é ruim, politicamente, e principalmente, se estando em um ano eleitoral e com uma eleição difícil.

NOME EM ALTA

O nome mais citado hoje na PMRB para ser a futura secretária de Comunicação Social é o da jornalista Socorro Camelo, com passagem por várias redações de jornais.  Ela é do do ramo.

DOIS MESES

A secretária Andréia Forneck deverá ficar dois meses num período de transição.

ABACAXI NO COLO

Bem que tentou, dobrou as equipes de serviço, chegou a colocar turnos noturnos, mas o prefeito Marcus Alexandre não conseguiu conter a buraqueira que tomou conta da cidade. É um abacaxi que entregará à futura prefeita Socorro Nery, no próximo dia 6. Marcus deixa a PMRB sem estar no seu melhor momento popular.

CHAMA-SE TRESVALIAR

Quando alguém está tendo delírios numa crise de malária se diz no seringal que, o cabra está tresvaliando. A mesma adjetivação popular pode ser aplicada aos que acham que o candidato do governo pelo PP, pode vencer a eleição na Capital. Não está disputando com o Tijolinho.

BANDEIRA DE CAMPANHA

Todo mundo prometeu resolver os problemas dos estudantes brasileiros de Medicina, na Bolívia. Mas ficaram na conversa. O único que resolveu foi o deputado federal Alan Rick (DEM), que abriu as portas por esforço pessoal, aos formados para trabalhar no “Mais Médicos” do governo federal. É uma bandeira na campanha que ninguém pode lhe tirar.

ISSO PODE ACONTECER

O que pode e provavelmente acontecerá é que o candidato ao governo pelo PP não venha repetir o fracasso que foi a candidatura à prefeita da deputada Eliane Sinhasique (MDB). O candidato do PP deve ter muitos mais votos em Rio Branco do que a parlamentar teve na disputa da PMRB.

DA MESMA FORMA

E da mesma forma que o candidato Marcus Alexandre (PT) deverá perder a eleição no Juruá e não será por pouco, mas por uma bela de uma lavada. Todas as pesquisas mostram. Some-se a isso o bairrismo no Juruá, quando se trata de uma candidatura de um filho a governador.

NOS MÉDIOS COLÉGIOS

Como há equilíbrio, nos dois maiores colégios eleitorais, a decisão na escolha do novo governador deverá acontecer nos votos dos colégios medianos do interior. Como já aconteceu na última eleição para o governo estadual, em que o PT se salvou em Feijó e Tarauacá.

DULCE VITA

Dia 6 acaba a doce vida para secretários estaduais e municipais, que ao deixar o poder perdem a mordomia do carro oficial indo lhe buscar todos os dias, sem falar nos gordos salários. Vão ter que meter os pés na lama para pedir votos a uma população que anda carrancuda com os políticos e com os governantes.

SEM QUERER, QUERENDO?

No convite para o ato de filiações de ontem do PT, se citou as presenças do Marcus Alexandre, Tião Viana, Ney Amorim, Nazaré Araújo, Márcia Regina e não a do candidato a vice-governador Emylson Farias. Foi deliberada a não citação ou foi esquecimento sem querer querendo. Marcus e André Kamai ?

NESTE QUESITO, O PT É IMBATÍVEL!

Ontem, no ato de filiação do PT, o candidato ao governo, Marcus Alexandre, criticou a oposição pela “arrogância” de achar que já ganhou. De fato tem alguns mequetrefes da oposição posando de eleição ganha sem a campanha nem ter começado. Não é o seu caso, Marcus, mas no quesito “arrogância”, o PT é “arrogante” e meio. Salvam-se poucos da cúpula petista que pisam no chão, a maioria acha que o poder é eterno e por isso podem pisar nos outros. Marcus: não atire a pedra da arrogância, porque o telhado do PT, neste ponto, ele é de vidro fino.

NOME QUE BUSCOU ESPAÇO

O médico Eduardo Veloso me disse ontem que até sexta-feira decidirá seu futuro político. Está na pauta ser candidato a senador pelo DEM, com apoio de outros cinco partidos. Veloso foi vítima de um jogo bruto dos velhos caciques, mas tem potencial para entrar de novo no jogo.

FEDERAL DESCARTADO

Ser candidato a deputado federal está descartado, pelos compromissos que já firmou com outras candidaturas e se decidir disputar será pelo Senado. Veloso é uma novidade boa na política. No DEM poderia ter ajuda nacional e o partido tem um bom tempo de televisão.

CHAPA FORMADA

Só que a chapa da oposição da coligação do candidato do PP ao governo está formada com Márcio Bittar (MDB) e Sérgio Petecão (PSD). Não creio que alguém abra para o Veloso.

OBRA PORCA

Não sei quem foi o autor da obra porca da Avenida Brasil. O certo é que, em poucos dias de concluída, pela segunda vez o trânsito foi interrompido para serviços de tapa-buraco. Não sei quem fez a obra, se a EMURB ou empresa particular, sabe-se que ficou uma porcaria. Seja a autora da barbeiragem, a EMURB ou empresa privada, deveria ser penalizada pela PMRB.

NOME DO PREFEITO

Até porque as críticas que se ouviram ontem eram todas contra o prefeito Marcus Alexandre.

PAZ ADIADA

O casamento de jacaré-açu com cobra grande ficou para sexta-feira. O cachimbo da paz entre os grupos do candidato a vice-governador Major Rocha (PSDB) e do candidato ao Senado, Márcio Bittar (MDB), foi transferido para o final de semana. Se não mudarem de novo.

MIL FILIAÇÕES

O dirigente do PT, Cesário Braga, calcula que o partido chegou até hoje a mil novas filiações.

REAÇÃO FORTE

Começam a surgir reações fortes entre os demais candidatos da oposição a uma possível indicação da jornalista Mara Rocha (PSDB) a Federal. É que deixá-la de fora da eleição foi uma promessa do Rocha durante a feroz briga para ele conseguir ser emplacado como vice.

MARCANDO POSIÇÃO

O senador Jorge Viana (PT) diz que o atual governo é uma das vantagens que terá como ativo para vencer as eleições no Acre, como também tudo que foi feito nas outras gestões do PT.

FINGIR QUE ACREDITO

Fica registrado o pedido do senador Jorge Viana (PT). Eu me sinto no direito de fingir que acredito. Acreditando com os dedos em forma de figa que você colará sua imagem ao desgaste do governo atual, como esta confusão na área da saúde. Nada a ver com isso, só registro fatos.

COMÍCIO DO LULA

A quase unanimidade dos padres da Prelazia do Acre e Purus são PT de carteirinha. Nenhum problema: é a livre expressão. Mas perdem fiéis quando querem transformar missas em comícios do Lula. É o caso deste Padre Versiane, em Brasiléia. Esta politização, que vem da década de 70, esvaziou os templos.

MERCADORIA DE VOTOS

As emendas, quando dosadas na distribuição funcionam bem como moeda de troca por votos para os deputados federais e senadores. Um exemplo é a deputada federal Jéssica Sales (MDB), sem um projeto relevante no mandato, ainda assim deve ser reeleita com certa tranqüilidade, por aplicar suas emendas onde rende retorno eleitoral. Assim é o jogo da política. Quem não tem projetos, caça votos com emendas. E não é demérito algum.

REVOADA DOS VERMELHOS

Tudo pronto para a revoada dos vermelhos no próximo dia 6, quando secretários estaduais e municipais e o prefeito Marcus Alexandre estarão deixando os seus cargos para disputarem vagas de deputado, e no caso do Marcus o governo do Estado. Agora é por conta dos eleitores. A disputa do governo vai acontecer num tempo de baixa popularidade da atual gestão do Estado e sem o PT ter mais o glamour que tinha em eleições passadas. Na campanha o mote não vai ser o que o Marcus fez ou deixou de fazer na sua gestão, o debate será sobre um projeto de 20 anos de poder com problemas sérios não resolvidos. Marcus treine para ser malabarista. Entra na disputa com uma pauta negativa para reverter durante a campanha.