Coluna do Astério

O nome do advogado, ex-deputado e presidente do TCE, conselheiro Valmir Ribeiro, continua sendo muito comentado para compor a chapa com o senador Gladson Cameli (PP). Seu nome passaria por uma indicação do MDB, partido que militou em anos passados. É um dos nomes mais respeitáveis e honrados da sociedade acreana.

O assunto foi debatido ontem no programa da Globo News com a jornalista e apresentadora Maria Beltrão.

Brasiléia é um bom exemplo do emponderamento das mulheres. A Leila foi vereadora duas vezes, vice-prefeita do PT, posteriormente eleita prefeita duas vezes e agora a cidade é administrada pela ex-secretária da Leila e ex- vereadora Fernanda Hassem (PT).

Brasília, Acre e Pará são os Estados que melhor pagam salários às mulheres, inclusive, em igualdade de condições com homens.

Essa situação, na verdade, é uma construção histórica desde que a Frente Popular chegou ao poder.

Primeiro na prefeitura da capital. Depois no governo do Estado e demais prefeituras do interior.

Um governo não é feito só de obras físicas, mas de mudanças profundas na forma e no conteúdo de agir e pensar.

Independente das brigas internas a oposição vai para as eleições com Gladson candidato ao governo e com um vice.

Apesar de toda a confusão e desorganização para construir a unidade, a oposição não pode ser subestimada.

Cada eleição é uma eleição completamente diferente da anterior.

O presidente da Aleac, deputado Ney Amorim, estará em breve com um escritório de trabalho aberto.

Não quer misturar as coisas!

Como ele mesmo diz: “Sou apenas um pré-candidato ao Senado pelo PT e pela Frente Popular”.

A propósito, Ney vem consolidando seu nome dentro e fora do governo.

Deputados de oposição acenam com apoio do segundo voto.

Ney Amorim também está criando um núcleo de apoio evangélico à sua candidatura.

Outro que também se relaciona muito bem com evangélicos, notadamente de Senador Guiomar é o senador Sérgio Petecão (PSD).

Aviso aos navegantes:

Funcionário de parlamentar ou o poder executivo não é obrigado por lei a pagar contribuição à partidos políticos.

O rio Acre transbordou, mas não vai ter a alagação esperada. Poucas chuvas nas cabeceiras dos principais afluentes.

Não viajem à noite pela BR-364 para Brasiléia.

A razão é muito simples:

O seu carro vai chegar lá sem suspensão, isto, se chegar!

“É um buraco um em cima do outro”, como diz o José, motorista de ônibus.

Fui voltei à Brasiléia no sábado…

Não posso negar que vi uma equipe trabalhando na recuperação, mas pelo visto não dá conta.

Qualquer pedido de intervenção federal no Acre não tem sentido algum, até esse do Rio de Janeiro há muita controvérsia.

Pode piorar as coisas por lá…