As afirmações de Rocha constam de um vídeo postado em seu perfil no Facebook na manhã desta sexta-feira, 26.

Se tornou uma guerra franca e aberta a divergência entre o Deputado Federal Major Rocha (PSDB) e o pré-candidato ao Senado pelo MDB, Marcio Bittar. Rocha, que já havia chamado Bittar de “filho de mulher da noite com porteiro de cabaré”, agora afirma ser este um “elemento nocivo para a política” e que só quer o “mandato para representar os seus próprios interesses”.

Elas são, ainda, a repercussão de um áudio onde Marcio Bittar aparece fazendo uma série de revelações sobre a atuação da oposição nas eleições. Sugere, inclusive, que Eládio Cameli, pai do candidato da oposição ao governo do Estado, Gladson Cameli (PP) estaria disposto a injetar R$ 30 milhões na campanha do filho através de Caixa 2, e que o mesmo expediente pode ter sido usado para eleger o senador Sérgio Petecão em 2010.

De acordo com Bittar, naquele ano, o empresário Fernando Lage teria conseguido R$ 2 milhões para a campanha de Petecão, dinheiro que não passou pela contabilidade oficial do candidato registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

O que teria deixado Rocha possesso foi quando disse que a estratégia de lançar sua irmã, a jornalista Mara Rocha para o Senado seria um blefe grosseiro.

No vídeo, Major Rocha ainda ataca o site Contilnet, o qual chama de “site de recados” e “Contilbittarnet”, diz que veículo de comunicação vive a lhe atacar “para satisfazer o ego do seu Marcio Bittar”.

O site Contilnet é de propriedade da jornalista Wânia Pinheiro e do policial Rodoviário Federal Mac Maillan Diniz. Wânia é irmã da também jornalista Silvânia Pinheiro, que vem a ser assessora de Gladson Cameli. Silvânia é casada com Mac Maillan.

 Veja, abaixo, a íntegra do vídeo postado pelo Major Rocha: