Antônio Lima da Silva, 54 anos, foi enterrado por engano no cemitério do município de Cruzeiro do Sul.

De acordo com familiares, Liberman, 39 anos, presidiário, era quem deveria ter sido enterrado, pois a responsabilidade do enterro era da funerária, já que o mesmo não tinha parentes no município e ninguém apareceu para identificação do cadáver.

Antônio morava no município de Porto Walter (AC) e morreu em virtude de uma cirrose. A família do mesmo, buscava desde a identificação do ocorrido, autorização para desenterrar o corpo e levá-lo ao município onde ele residia.

Jaqueline Pinheiro, sobrinha do mesmo, foi quem identificou o erro. Ao procurar a funerária com a certidão de óbito em mãos, a sobrinha observou que o corpo que estava lá era do presidiário e que consequentemente o corpo do seu tio deveria ter sido enterrado no lugar do mesmo.

“Ao chegar na funerária, observei que eles iam colocar esse outro homem no caixão. Eu pedi que o rapaz tirasse o lençol de cima do corpo, ele falou que não podia. Então falei para o mesmo que tínhamos que vestir uma roupa nele. Ao retirar o lençol vi que não era meu tio, esse corpo que estava lá tinha até tatuagem na perna. Eles enterraram meu tio pensando que era o presidiário, porque esse homem não tinha parentes e ninguém o identificou.”, relatou a sobrinha.

A família conseguiu a autorização e realizou todos os procedimentos de exumação do corpo e o mesmo já está a caminho de Porto Walter.

Lidiane Gaspar