Investimentos e atenção primária geram qualidade de vida e saúde

Muitos se consideram saudáveis quando não apresentam nenhuma doença.

Com a diminuição no número de internações, recursos são usados em outras áreas, como os transplantes (Foto: Júnior Aguiar)

Entretanto, a falta de enfermidades não significa saúde, pois isso vai muito além das portas dos hospitais e inclui um conjunto de fatores, tais como a qualidade de vida, saneamento básico, moradia, meio ambiente, lazer e acesso aos bens e serviços essenciais, conforme rege a Lei Orgânica da Saúde 8.080, de 1990.

Esse olhar diferenciado faz com que o Acre venha ao longo dos anos investindo em setores que proporcionam melhoria na qualidade de vida da população. Exemplos são o fortalecimento da atenção primária e o forte investimento em saneamento básico em todo o estado.

Resultado disso foi a redução de mais de 27%, de 2012 para cá, no número de internações do Hospital das Clínicas (HC), conforme balanço do ano de 2017 divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) no mês passado.

Há seis anos, o número de internações no HC passava de 9,6 mil. Desde 2012, esses dados reduziram continuamente.

Em 2015, caíram para 8.172 e até novembro de 2017 foram registrados apenas 6.441 casos de internações no Hospital das Clínicas.

Quem não lembra

Talvez os jovens de hoje não recordem, mas houve um tempo que na maioria dos municípios acreanos o simples fato de sair de casa era uma missão árdua, quando não impossível, devido às péssimas condições das ruas poeirentas e enlameadas pela total falta de pavimentação e saneamento básico que geravam graves problemas de saúde.

“Cansei de carregar meus filhos nas costas para poder sair de casa, fora as vezes que eles deixavam de ir para escola porque não havia mesmo como andar pela rua em época de chuvas”, lembra o manobrista Antônio Barbosa da Silva, morador de Marechal Thaumaturgo, distante cerca de 550 km da capital Rio Branco.

A pequena Adriely, moradora do bairro Apolônio Sales, em Rio Branco, em rua pavimentada pelo governo do Acre (Foto: Cedida)

O morador reside na comunidade Poeirinha, o bairro mais pobre da cidade, onde o programa de governo Ruas do Povo trouxe ruas pavimentadas, com rede de esgoto e agua tratada chegando às casas. “As dificuldades eram grandes. Tínhamos um único poço e a fila era demorada para tirar água. Por isso, só tenho a agradecer ao governador Tião Viana, que não se esqueceu da gente e trouxe essa mudança e qualidade de vida a todos os moradores da comunidade”, agradece.

Ruas do Povo

Como um dos maiores programas sociais do governo do Acre, o Ruas do Povo, lançado em 2011 pelo governador Tião Viana ainda em sua primeira gestão, trouxe mobilidade urbana, principalmente nas áreas mais pobres, mas acima de tudo, a garantia de qualidade de vida com o fortalecimento da saúde e o auxílio na redução da mortalidade infantil.

Desde 2011, o governo do Acre já investiu 1 bilhão de reais em saneamento básico com as obras do Ruas do Povo, reforma e ampliação das Estações de Tratamento de Água e coleta de esgoto.

Atualmente, o governo do Acre está investindo mais de R$ 100 milhões em obras de saneamento nos municípios de difícil acesso – Marechal Thaumaturgo, Jordão, Santa Rosa e Porto Walter.

Com isso, a tendência – os números já comprovam – é de que nos próximos anos haja uma redução ainda maior de internações nas unidades de saúde, além da diminuição no custeio com a saúde pública no estado.

“Uma melhora de 100%, pelo menos para mim, que antes tinha de sair fazendo malabarismo pela rua cheia de lama e coberta de mato para poder ir trabalhar. Hoje, com chuva ou sol, saio tranquila de casa, pois minha rua agora tem calçada, tem esgoto e está pavimentada. Agora, minha filha pode brincar em frente de casa e ir para escola sem se sujar”, destaca a professora Cirlene Ferreira, que reside na Rua São Sebastião, bairro Apolônio Sales.

Texto: Lane Valle || Fotos e Diagramação: Secom