Não tem mais volta, o prefeito Marcus Alexandre será mesmo o candidato a governador da FPA em 2018.

Um candidato com potencial político crescente, perigoso.

Com Tião Viana no governo será muito difícil derrotá-lo.

É perfeitamente compreensível que a candidatura do coronel Ulysses a governador empurre o jogo para um eventual 2º turno.

Estamos vivendo tempos extremos, sim senhor!

Política, religião, futebol…tudo.

A transição da modernidade para algo ainda desconhecido tem como marca principal a intolerância, a violência, o ódio visceral.

Coisas que sempre existiram, mas acreditava-se superado depois dos massacres mundiais do século XX.

Fim da razão instrumental, um mundo mais humano, democrático, mais tolerante, até amoroso.

Pois é…

Enquanto isso a razão vai dando mais espaço a fé, uma fé egoísta, desmesurada, cega.

A boa política, a ética que deveria ser solução para muitas mazelas sociais se transformou em um campo de batalha dos extremos.

No STF, por exemplo, ministros que seriam exemplos de urbanidade, equilíbrio e moderação partem para ataques pessoais.

Macunaíma, aqui ao lado, chamando atenção para parar de filosofar e informar.

Cara chato!

Mas, vamos lá!

Há cerca de 16 anos a FPA não perdia uma eleição na Associação da Reserva Chico Mendes com sede em Brasiléia.

Pegou um chocolate, uma surra histórica, homérica.

Sobra pra todo mundo.

Consta que a derrota se deveu a falta de ramais e infraestrutura na região.

A oposição ficou eufórica com a vitória.

Não sei a que ponto, por exemplo, influenciaria nas eleições de 2018.

Consta que o ex-deputado e conselheiro do TCE, Valmir Ribeiro, estaria propenso a voltar para a política.

Palavras que definem Valmir Ribeiro e sua família: honra, lealdade, caráter, dignidade…

O ex-vereador Pedrinho Oliveira (PSD) é uma boa opção para a Assembleia Legislativa em 2018.

Como presidente da Câmara no biênio 2007/2008, Pedrinho contribuiu muito com a gestão do ex-prefeito Raimundo Angelim (PT).

A chapinha de deputado federal capitaneada pelo PDT está engrossando o pescoço.

Poderá eleger até mesmo três deputados federais.

A chapa da oposição, principalmente do PMDB, está com sérios problemas de nomes.

Ou se coliga ou vai todo mundo para a balsa.

O PTB e demais partidos nanicos de oposição articulam também uma chapinha excluindo os tubarões dos partidos tradicionais.

Batalham para eleger um.

Percebe-se uma certa fadiga em alguns políticos da área federal, lassidão, cansaço eleitoral.

Talvez não voltem mais…as urnas vão dizer.

Apesar da ausência e do descaso da ministra Carmem Lucia, Rachel Dodge e do senador Gladson Cameli o fórum de governadores foi importante.

O Gladson Cameli precisa parar, pensar, refletir.

Cada eleição é uma eleição diferente, é fluxo, movimento.

Vídeo gravado por jovens ameaçando agentes penitenciários aponta diretamente para a origem dos assassinatos diários:

“Nossa guerra não é contra vocês, mas contra o CV”, o CV responde do mesmo jeito. A guerra é contra o B13.

Não há polícia no mundo que resolva sozinha esse problema.

Obrigado a Contilnet pelo convite para publicar essa modesta coluna no site.

Abraços, Vânia Pinheiro!