Joalyson Nascimento será julgado por matar e esquartejar dois jovens em Rio Branco. Caso condenado, pena será calculada conforme agravantes do crime.

Justiça do Acre decidiu, nesta quinta-feira (26), que Joalyson Nascimento da Silva, acusado de esquartejar dois jovens no final de 2016 e ter divulgado o vídeo com as cenas do crime nas redes sociais, vai a júri popular.

Os jovens Richard Rodrigues, de 16 anos, e Lucas Dennedy Freire de Souza, de 20, foram fotografados antes de serem mortos por integrantes de facções criminosas. As imagens foram divulgadas pela Polícia Civil no dia 7 de dezembro do ano passado.
A decisão é da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco. Além das execuções, Silva também deve ser julgado pela acusação de ocultação de cadáver.

Para o juiz Leandro Gross, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco, a materialidade do crime é comprovada pelo laudo feito nos corpos das vítimas, indícios do envolvimento do suspeito, confissão na participação do crime e depoimentos de outras pessoas. Ele diz ainda que o caso reflete o conflito de facções criminosas na disputa por território.

Além do mérito de participação, o julgamento do acusado também vai avaliar a alegação de que ele foi forçado a filmar o crime e participar diretamente dele sob ameaças de terceiros.

Se for condenado, Silva vai ter penas calculadas conforme os agravantes do ato. O primeiro deles é a natureza torpe do crime, já que depoimentos descrevem revanche entre as organizações criminosas.

Outro agravante é o emprego de meio cruel para assassinar as vítimas. Depois de serem decapitadas, elas foram esquartejadas. Todo o processo foi filmado e divulgado nas redes sociais pelos autores.

Leandro Gross determinou ainda que Joalyson Nascimento da Silva vai aguardar o julgamento preso, a data ainda não foi definida para o júri popular.

Entenda o caso

Em dezembro do ano passado os jovens Richard Rodrigues, de 16 anos, e Lucas Dennedy Freire de Souza, de 20, foram executados em Rio Branco por membros de uma facção criminosa. O crime foi filmado e o vídeo divulgado nas redes sociais e aplicativos de mensagem. Os jovens foram fotografados antes de serem mortos.

Nas imagens aparecem quatro criminosos encapuzados. Na primeira tentativa, o grupo tentou enforcar Souza. Em seguida, um dos criminosos questiona se ele já morreu. Ao receber a resposta negativa, arrastam o jovem e cortam a cabeça dele.

Já Rodrigues aparece deitado no chão quando um dos criminosos puxa a cabeça dele e corta usando um facão e em seguida o jovem é esquartejado. Durante a gravação, o grupo fala o nome de organizações criminosas, mandando recado para os rivais.