Time brasileiro venceu nos segundos finais e garantiu primeira vitória nas Olimpíadas.

Era apenas a segunda partida do Brasil na fase de grupos do basquete olímpico, mas a vitória sobre a Espanha, na tarde desta terça-feira (9/8), foi tão comemorada quanto uma medalha. Depois de perder para a Lituânia na estreia, a Seleção passou pelos europeus de forma sofrida, por 66 x 65, e fez o ala Marquinhos, autor da cesta vencedora, confessar que tentaria levar a bola do jogo para casa.

O espírito brasileiro contra os espanhois em nada lembrou o do último domingo (7). Aguerrido e atento desde o início, o time de Rubén Magnano implantou jogo coletivo e viu apenas Marquinhos (10) e Marcelinho Huertas (11) chegarem aos dois dígitos no quesito pontos marcados. À exceção de Rafael Hettsheimeir, todos que entraram em quadra pontuaram.

A Espanha, por outro lado, repetiu o início brasileiro naquela partida contra a Lituânia. Mesmo com Pau Gasol, jogador da NBA (San Antonio Spurs), os europeus tiveram um início muito ruim e irreversível. O aproveitamento nos arremessos de três pontos foi de 26% (5/19). Nem o duplo-duplo de Gasol (13 pontos e 10 rebotes) foi suficiente.

“O time soube controlar os nervos e, no final, com o tapinha do Marquinhos, venceu”, resumiu o ala-armador Alex. “Dá confiança para nos mantermos firmes, na mesma pegada”, continuou. O Brasil ainda tem pela frente as fortes Croácia (amanhã) e Argentina (sábado) e a Nigéria (segunda).

De negativo, o duelo teve a atrapalhada arbitragem. Algumas faltas marcadas contra o Brasil levaram a comissão técnica do Brasil à loucura no banco de reservas. Na avaliação do ala-pivô Guilherme Giovannoni, a Espanha soube aproveitar o momento. “Eles são espertos, sabem tirar proveito disso, usam o braço, essas coisas”, acusou.

Time brasileiro venceu nos segundos finais

Por df.superesportes.com.br