Os autores, segundo o delegado Alcino Ferreira Junior, são Diemeson de Souza Batista, 22, e Cláudio Martins de Almeida

Foto: Selmo Melo
Foto: Selmo Melo

Em coletiva no auditório da Secretaria Estadual de Polícia Civil, na manhã desta quarta-feira (11) foram apresentados os acusados de matar com 10 tiros o agente penitenciário Anderson Albuquerque, 28, no dia 2 de fevereiro deste ano, no Bairro da Paz.

Os autores, segundo o delegado Alcino Ferreira Junior, são Diemeson de Souza Batista, 22, e Cláudio Martins de Almeida. 

De acordo com o delegado Alcino, Diemeson teria executado os disparos com arma de fogo contra Anderson e Cláudio seria o fornecer de toda a logística ajudando na morte do agente, conseguindo o carro modelo Escort de placa LCC 3716 de cor azul escuro.

O secretário estadual de Segurança Pública, Emylson Farias, disse que a unidade da cúpula da Segurança garantiu que os dois envolvidos fossem presos. E acrescentou que a investigação ainda estaria em curso, tendo em vista a possível participação de mais envolvidos.

O secretário-adjunto de Polícia Civil, Alex Cavalcante, destacou que a instituição tem como objetivo e diretrizes não medir esforços para elucidar todos os crimes envolvendo mortes.

“Não medimos esforços e também equipamentos até mesmo científicos para garantir o resultado positivo das investigações chegando até os culpados”, explicou o secretário-adjunto.

acusados-mater-agente3

Os acusados que foram apresentados à imprensa disseram que são inocentes e que a polícia não encontrou nada que prove a participação deles no assassinato.

Conduta dos acusados

Diemeson de Souza Batista disse à imprensa que está sendo acusado do assassinato do agente penitenciário injustamente e que é inocente neste caso.

O acusado estava em liberdade condicional e estaria com suspeitas de ter contraído tuberculose.

Cláudio Martins, que segundo a polícia conseguiu o veículo e organizou toda a logística para a realização do crime, tem passagem pela polícia por associação ao tráfico de drogas.

Na sua apresentação negou qualquer envolvimento e disse que só falaria sobre o caso na frente do juiz.

Diemeson estava em liberdade condicional e estaria com suspeitas de ter contraído tuberculose/Foto: Selmo
Diemeson estava em liberdade condicional e estaria com suspeitas de ter contraído tuberculose/Foto: Selmo

Wiliandro Derze, ContilNet Notícias