Antes de saírem da casa ainda abriram as saídas de gás do fogão e atearam fogo em papeis para que a casa explodisse e incendiasse.

Foto dos acusados de assassinar Joseh Alexandre foi postada nos jornais da capital durante o Carnavale, em Brasileia
Foto dos acusados de assassinar Joseh Alexandre foi postada nos jornais da capital durante o Carnavale, em Brasileia

A historiadora Fátima Almeida, uma das mais prestigiadas das redes sociais, fez um relato em sua página do Facebook sobre a homofobia, e lembrou a morte do servidor público Joseh Alexandre Leitão, assassinado com requinte de crueldade no dia 3 de julho de 2008.

Joseh Alexandre era militante do Partido dos Trabalhadores, conselheiro estadual de saúde, sindicalista, fundador da Escola Sindical Chico Mendes e atuava nos movimentos de direitos humanos.

Ele foi torturado, seu corpo todo amarrado com fita adesiva, teve sua boca preenchida com sabão em pó e recebeu 19 facadas.

Veja o texto da historiadora Fátima Almeida, na íntegra:

Muita gente não sabe, nem entende o que vem a ser HOMOFOBIA, pensam que é apenas um nome estranho ou engraçado. Uma matéria de 21 de outubro de 2008, assinada por Gleydison Meireles, Jornal O Rio Branco pode muito bem dizer quem ela é, essa senhora, e sua face tenebrosa. Bom lembrar que nenhuma pessoa está a salvo de ter filho, filha, neto, neta..gays. Portanto, não se deve deixar por menos.

O plano que a princípio era apenas de roubo começou a ser arquitetado dois dias antes do crime, quando Joseh Alexandre foi à casa da empregada efetuar um pagamento. Gabriel Oliveira (filho da empregada) viu que a vítima estava com considerável quantia de dinheiro e que possuía um notebook, como planejava ir ao carnavale (carnaval fora de época na cidade de Brasiléia), mas estava sem dinheiro, ele resolveu assaltar Joseh Alexandre.

Acostumado a realizar alguns serviços para a vítima, Gabriel Oliveira conhecia a casa e sabia que Joseh Alexandre morava só. Com a ajuda de mais dois amigos, Daniel Rodrigues Dantas, e o menor de idade, T.C.S., conhecido como “Buiú”, começaram a por em prática o plano de assalto.

Gabriel Oliveira, mentor intelectual do crime, passou todas as coordenadas para os comparsas, um dia antes passou com Daniel em frente a casa de Joseh Alexandre, e combinou que os companheiros retornariam no dia seguinte para imobilizar a vítima e aguardar sua chegada para juntos roubar os objetos da casa.

No dia do crime, por volta das 17:30 horas, Daniel Dantas e Buiú foram a casa de Alexandre, bateram palmas e pediram água, no momento em que a vítima deu as costas para ir buscar, foi atacado pelos marginais que o imobilizaram e arrastaram para dentro da casa. No interior da residência, Joseh Alexandre foi espancado e amarrado com fita adesiva. Quando Gabriel Oliveira chegou na residência para efetuarem o roubo, Joseh Alexandre que estava imobilizado encima de uma cama, levantou a cabeça e viu Gabriel.

Foi nesse momento que o filho da empregada decidiu executar Joseh Alexandre a golpes de faca. Após assassinarem Alexandre os acusados saíram da casa deixando porta e portão abertos e seguiram para o centro da cidade, onde negociaram o celular da vítima por R$ 25,00, com o qual compraram drogas e bebidas.

Temendo ser descobertos os assassinos voltaram ao local do crime para apagar qualquer vestígio que pudesse denunciá-los. Sob efeito de álcool e drogas, o trio armado com duas facas volta a golpear o corpo de Alexandre já sem vida. Os três acusados ainda pularam sobre o corpo da vítima, a violência dos golpes foi tão grande que as facas ficaram tortas.

Com requinte de crueldade os marginais jogaram água sanitária e sabão em pó encima do corpo e paredes do quarto. Antes de saírem da casa ainda abriram as saídas de gás do fogão e atearam fogo em papeis para que a casa explodisse e incendiasse. O que não aconteceu porque a botija de gás estava vazia.

O crime ocorreu no dia 3 de julho e no dia seguinte Daniel Dantas e Gabriel Oliveira viajaram para Brasiléia onde participaram do carnavale.

Acompanhados de amigos, os assassinos se divertiram bebendo como se nada tivesse acontecido. Os dois ainda fizeram questão de registrar o passeio através das fotos que foram postadas no site de relacionamentos Orkut, onde fica evidente a alegria da dupla.

Os assassinos foram presos no dia 14 de julho, através de minuciosa investigação da Polícia Civil.

Fonte: Agência ContilNet