Dinesh Kaurav mantém pai e irmão doentes acorrentados por mais de 20 anos, por não ter condições de tratá-los.

Dinesh trabalha como operário diariamente, ganhando cerca 112 reais por mês. Ele vive em uma casa de dois cômodos com a mulher, sua mãe, pai e o irmão.
Dinesh trabalha como operário diariamente, ganhando cerca 112 reais por mês. Ele vive em uma casa de dois cômodos com a mulher, sua mãe, pai e o irmão.

190Dinesh Kaurav, de 35 anos, manteve seu pai Churaman, de 65, e seu irmão Suresh, de 21, acorrentados por 20 anos porque não podia pagar o tratamento médico para ambos, e afirma que eles se tornaram perigosos para si mesmos e para outras pessoas.

Eles foram diagnosticados com problemas de saúde mental em 1994, e a responsabilidade de cuidados caiu sobre Dinesh, que chegou a tentar pedir ajuda médica do governo.

A dupla começou a ficar agressiva e Dinesh sentiu que não tinha escolha, a não ser mantê-los seguros, encadeando-os dentro de sua casa, em uma vila remota em Indore, Madhya Pradesh.

Dinesh disse: “Eu tentei o melhor para ter o meu pai e irmão tratados em hospitais do governo, mas eu não tenho dinheiro suficiente para comprar medicamentos. Em seguida, eles foram se tornando agressivos e foi difícil para nós cuidar deles. Eles iriam apedrejar os moradores e sair de casa sozinhos. Foi pela segurança deles que eu pensei em acorrentá-los. De outra forma eles podiam se machucar ou ferir os outros. Eu não tinha outra escolha. ”

Mesmo com o pai e filho acorrentados, Dinesh e sua mãe, Naram, de 60 anos, cuidam deles a cada minuto, os alimentando e dando banhos diariamente.

Rajesh Shah, um oficial do governo local, disse: “A família veio nos pedir ajuda, porque não podiam pagar pelo tratamento médico. Eles já foram incluídos na lista do governo para subsídios. Mas se Dinesh precisar de mais ajuda, estaremos aqui para fazer o máximo que pudermos. ”

Ele acrescentou: “Enquanto estou no trabalho, minha mãe mantém o olho sobre eles. Ela os ajuda em tudo. Eles passam o dia dormindo, mas às vezes nós os deixamos livres para se movimentarem do quarto para o quintal.”
Ele acrescentou: “Enquanto estou no trabalho, minha mãe mantém o olho sobre eles. Ela os ajuda em tudo. Eles passam o dia dormindo, mas às vezes nós os deixamos livres para se movimentarem do quarto para o quintal.”
Mas graças ao apoio aldeia e protestos, a administração já interveio e garantiu a sua assistência com cuidados médicos no hospital especializado mais próximo.
Mas graças ao apoio aldeia e protestos, a administração já interveio e garantiu a sua assistência com cuidados médicos no hospital especializado mais próximo.

Fonte: Daily Mail