Moradores acusam PM de truculência durante protesto no AC.

Prisão de morador revoltou populares em Cruzeiro do Sul.

Genival MouraDo G1 AC

686b87f4f1724825fdfd9485ceb535ab60dea70d

A prisão de um morador durante um protesto na comunidade Passo Fundo, na Zona Rural de Cruzeiro do Sul (AC) deixou dezenas de famílias revoltadas com a ação da Polícia Militar. A PM foi acionada depois que os moradores retiveram uma máquina da Prefeitura para exigir melhor qualidade no serviço de pavimentação provisória da estrada de terra que dá acesso à comunidade.

Os moradores consideraram truculenta e desnecessária a ação dos policiais militares. Eles filmaram o momento em que um homem foi detido e imobilizado na última sexta-feira (4).

“Como nós já estamos cansados de ouvir promessas, decidimos reter a máquina e liberar assim que o prefeito Vagner Sales viesse conversar com a gente. Os policiais deram voz de prisão a um morador que foi humilhado, bateram no rapaz e uma policial chamou todos nós de vagabundos. Geralmente, quando acontece um protesto pacífico, a polícia protege, aqui ela está contra nós”, relata Nelinho Lima da Silva, líder da comunidade.

O morador detido foi Genival de Araújo Monteiro, de 36 anos. Ele afirma que foi agredido pela polícia porque se negou a dizer o nome do proprietário de um carro, que estava impedindo a passagem da máquina retida. “Por esse motivo me algemaram, bateram e ainda disseram que eu tinha cara de traficante”, comenta.

Nesta segunda-feira (7) os moradores montaram uma cerca na estrada para impedir a passagem de veículos. A máquina da Prefeitura também permanecia retida na comunidade.

O comandante do 6° Batalhão da Polícia Militar de Cruzeiro do Sul, major Emílio Virgílio, ressaltou que os policiais foram ao local para restabelecer a ordem pública e explica que o morador foi preso porque negou-se a se identificar.

“A gente não sabia de quem se tratava, ele foi conduzido à delegacia pela atitude suspeita, agora sobre esse conflito que foi divulgado em alguns vídeos nós vamos apurar se houve excesso, abuso e constrangimento, se houve os policiais serão responsabilizados”, garante.