Campanha de combate à hanseníase.

Campanha está sendo realizada durante todo o mês de julho. Município apresenta redução nos casos; 11 em 2013 contra 26 em 2012.

Genival MouraDo G1 AC

Meta da campanha em Cruzeiro do Sul é atingir ao menos 10 mil crianças (Foto: Genival Moura/G1)
Meta da campanha em Cruzeiro do Sul é atingir ao menos 10 mil crianças (Foto: Genival Moura/G1)

Uma Campanha de Combate à Hanseníase e à Verminose, do Ministério da Saúde, que ocorre anualmente em todo Brasil, foi lançada no início neste mês em Cruzeiro do Sul, distante 648 Km da capital acreana. A meta da Secretaria Municipal de Saúde é atingir ao menos 10 mil crianças no município. Para isso, os profissionais de saúde estão focando nas escolas de ensino fundamental, onde estudam crianças e adolescentes com idade entre 5 e 14 anos.

Em dados gerais, houve uma redução significativa no número de casos de hanseníase no ano de 2013 em Cruzeiro do Sul. A doença foi diagnosticada em 11 pessoas, contra 26 casos no ano anterior. Mesmo assim, o índice continua acima do que é recomenda pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que considera normal um caso para cada 10 mil habitantes.

Segundo a coordenadora do programa de hanseníase do município, Eliane Gonçalves, fichas distribuídas nas escolas serão preenchidas pelos professores onde os pais dos alunos vão indicar se os filhos possuem manchas no corpo e outros sintomas. Vamos encaminhar os casos suspeitos para o dermatologista e todas as crianças que se encaixam na faixa etária da campanha vão tomar o albendazol que é o remédio que combate as verminoses”, explica.

Até o dia 30 de agosto, mais de 20 escolas serão visitadas nas zonas urbana e rural da cidade acreana. Cada estudante receberá uma carteira de medicação que será anexada na pasta escolar, incluindo informações como lote e validade do medicamento.

De acordo com a coordenação do programa municipal de hanseníase, mais de 50% dos novos casos da doença foram notificados entre 2009 e 2012 em pessoas com menos de 20 anos de idade. Das 104 acometidas, 53 delas têm entre 5 e 20 anos.