Conexão Cobija  Bolívia Na Frnteira Grana De Agiotas Na Bolívia Beneficia Politico No Acre  

Por Tião Vitor Aquirynoticias

Conexão Cobija  Bolívia Na Frnteira Grana De Agiotas Na Bolívia Beneficia Politico No Acre

A deixa foi dada pelo jornalista Luís Carlos Moreira Jorge na sua coluna política publicada no jornal A Gazeta do último domingo, 15. Luís Carlos anunciou que o candidato do PSDB ao governo do Estado estaria à procura de recursos internacionais para o financiamento de sua campanha e teria mantido encontro com grande empresário boliviano na semana passada.

“O candidato ao governo, Marcio Bittar (PSDB), atrás de recursos internacionais, almoçou no meio da semana com um sólido empresário boliviano da construção civil, visando uma parceria financeira para a sua campanha. Fonte da coluna disse que foi uma conversa de mão dupla. Ou alguém imagina que boliviano dá alguma coisa para alguém sem interesses futuros?”, disse o colunista.

O empresário em questão é, também, um dos grandes agiotas que atuam na região do Alto Acre em Brasiléia. Além dele, Bittar teria mantido encontro com outros agiotas que estariam dispostos a investir em sua candidatura. As cifras negociadas seria na casa dos milhões. Muito dinheiro que, supostamente, deve ser usado para influenciar o resultado das eleições no Acre.

Além de Bittar, teriam participado de encontros com os agiotas, membros do seu staff político. A ideia seria injetar dinheiro, também, na candidatura de um deputado federal próximo e de outros deputados estaduais mais chegados ao seu grupo.

Agiotagem e Crime Organizado

A região do Alto Acre, em especial a cidade de Brasileia, é onde estão estabelecidos os maiores agiotas do Estado. A maior parte deles é oriunda da cidade boliviana de Cobija, que faz fronteira com Brasileia.

O dinheiro que circula nesse tipo de operação ilegal é quase sempre dinheiro sujo, que acaba sendo lavado no Brasil através da agiotagem.

“O que se sabe por aqui é que eles pegam o dinheiro a seis porcento ou quatro porcento dos agiotas na Bolívia e empresta no Brasil cobrando juros de até dez porcento”, afirmou um pequeno comerciante de Brasileia que preferiu não ter seu nome revelado.

E é justamente esse dinheiro sujo que pode ser usado no Acre para comprar votos e alavancar a candidatura de Marcio Bittar ao governo do Acre.

O dinheiro da agiotagem ajuda a fortalecer o crime e a produção de drogas na Bolívia. O país é o maior produtor mundial de cocaína. A droga produzida ali abastece países circunvizinhos e é enviada para os Estados Unidos e Europa. A rota utilizada, quase sempre, passa pelo Acre e muito dessa coca, maconha e outras drogas, abastece as bocas-de-fumo em Rio Branco e no interior. Armas e outros contrabando também chegam ao Acre adquiridos com recursos do crime organizado o que contribui substancialmente para o aumento da criminalidade no Estado.