Na reportagem publicada nessa segunda-feira (18) o delegado usou o espaço do leitor para prestar esclarecimentos.

Casal gay que falou com a reportagem da ContilNet Notícias foi um dos primeiros a aderirem a promoção/Foto: Arquivo Pessoal
Homossexuais publicam imagens da campanha na internet/Foto: Arquivo Pessoal

A declaração polêmica do delegado de Polícia Civil do Acre, Mardílson Vitorino, que sugeriu uma “surra de cipó roxo” ao casal de gays entrevistado pela ContilNet Notícias, acendeu uma corrente a favor de gays, lésbicas e simpatizantes, nas redes sociais.

Um grupo criou a promoção “Eu quero uma surra de cipó” como protesto às declarações de Vitorino. A campanha foi lançada pelo presidente da Associação de Homossexuais do Acre (AHAC), Germano Marino, que prometeu bonificar com R$ 400 os vencedores.

surra-cipo3Germano criou, ainda, um regulamento para a promoção. “Você pode mandar sua foto aqui mesmo, na minha página, ou faça a sua marcação. A melhor foto será julgada para receber a premiação de R$ 400 para a melhor imagem. Use da sua criatividade e imaginação. Expressões como estas, que incitam a violência e o ódio para com os homossexuais, temos que abominar. Podemos juntos, homossexuais e héteros, de forma criativa, alegre e feliz, combater atitudes e expressões preconceituosas. A Associação de Homossexuais do acre irá fazer o julgamento da melhor imagem, para fazer a devida premiação”, escreveu Germano em sua página.

O presidente da AHAC também exigiu uma retração do delegado e da Secretaria de Polícia Civil do Acre.

“Tenho toda certeza que a Secretaria de Polícia Civil, através de seu representante, o secretário Emílson Farias, não compactua com as declarações do delegado de Polícia Civil, Mardílson Vitorino, que sugere surra com cipó em casal gay que concedeu entrevista à ContilNet. A Polícia Civil do Acre é uma instituição que preza e zela por toda a sociedade acreana. Tem relevantes serviços prestados e, acima de tudo, homens e mulheres honrados que não compactuam com essa incitação à violência e discriminação. Seria de bom tom a Secretaria de Polícia Civil fazer uma nota de repúdio a essas declarações de um agente público da Polícia Civil do Acre que está a zelar pela paz da população acreana. Jamais podemos deixar que expressões dessa natureza possam manchar essa instituição, que é a Polícia Civil do Acre!”, publicou.

Da Redação Da Agência ContilNet